We have chosen here a work and a part of a chapter of another work as the synthesis of Humanitarianism and the Democracy of the Future. Humanitarianism is a social doctrine based in the Perennial Philosophy and in the Law of the Universal Brotherhood of Humanity, and also in one of its religious derivations which is the “New” Gospel of Interpretation.

Besides this synthetic presentation, we have added a small set of quotations about Humanitarianism and the Democracy of the Future. Below you have the links to the work and to the selected chapter  and, following that, the set of quotations:

O Que Há de Errado com a Política? (Fundamentos para uma Verdadeira Democracia) [What is Wrong With Politics? (Fundaments for a True Democracy)]. Arnaldo Sisson Filho. Editora Roda e Cruz, Brasília, 2018. This work is still the fundamental one about Humanitarianism and the Democracy of the Future. Unfortunetely it is still in the Portuguse language. As soon as we can a translation into English will be provided.

Segunda Parte, do Sexto Capítulo da obra A Roda e a Cruz: Uma Introdução ao Cristianismo Budista  (Second Part, of the Sixth Chapter of the work The Wheel and the Cross: an Introduction to Buddhist Christianity). Arnaldo Sisson Filho, with Viviane Pereira. Roda e Cruz, Brasília, 2012. 369 pp. This work is still in Portuguese language. The selected text has the title: “Religion and Social-Political Organization”. The complete work is in the Site Anna Kingsford.


Quotations about Humanitarianism and the  Democracy of the Future:

NOTE: The last two long quotations are in Portuguese language. Since we think that they are relevant texts, we decided to add them even in this language. We hope in the future to substitute them for English translations.


The Fundamental Principles of Humanitarianism

“As a doctrine, or as a social-political philosophy, Humanitarianism is based in four great and simple principles, the importance of which we have tried to demonstrate in the preceding chapters. Below we have these fundamental principles:
1 – All human beings constitute an UNIVERSAL BROTHERHOOD.
2 – All human beings have the same origin and the same essential nature and, therefore, the SAME ESSENCIAL VALUE.
3 – Notwithstanding the original unity, and the same essential value, the human beings present DIFFERENT CAPACITIES.

4 – As a consequence of these first three principles, the rule that should guide the justice and the harmony which is possible among the human beings is the EQUALITY OF OPPORTUNITIES, in order to better promote the development of the different levels and types of individual capacities.” [Arnaldo Sisson Filho. O Que Há de Errado com a Política? (Fundamentos para uma Verdadeira Democracia) (What Is Wrong With Politics? (Fundaments for a True Democracy)]


XIXth-Century Great Ideas Deny or Obliterate the Hierarchy of Levels in the Universe

“While the nineteenth-century ideas deny or obliterate the hierarchy of levels in the universe, the notion of an hierarchical order is an indispensable instrument of understanding. Without the recognition of ‘Levels of Being’ or ‘Grades of Significance’ we cannot make the world intelligible (…) Maybe it is man’s task — or simply, if you like, man’s happiness — to attain a higher degree of realization of his potentialities, a higher level of being or ‘grade of significance’ than that which comes to him ‘naturally’: we cannot even study this possibility except by re-cognizing the existence of a hierarchical structure. To the extent that we interpret the world through the great, vital ideas of the nineteenth century, we are blind to these differences of level, because we have been blinded.” (Ernst Schumacher. Small Is Beautiful, pp. 95-96)


Influence and Responsibility of the Leaders of Thought

“(…) this our generation seems to evince but a very rudimentary spiritual grasp while apparently developed in intellect to the utmost extent possible. It is, indeed, a hard, materialistic age: a fragment of sparkling quartz is its appropriate symbol. And yet of what ‘age’ and ‘generation’ do we speak? Not of that of the masses, for they change but little from generation to generation: no, but of the educated class, the leaders of thought, the controllers and stimulators of the opinions of that great middle social group lying between the highly cultured and the brutishly ignorant. They are the sceptics of today who are as incapable of rising to the sublimity of Vedantic or Buddhistic philosophy as a tortoise to soar like an eagle.” (Helena Blavatsky. Collected Writings, Vol. III, p. 104)


That the World Is in Such a Bad Condition Morally Is Evidence that Religions and Philosophies Are Distant from Truth

“To be true, religion and philosophy must offer the solution of every problem. That the world is in such a bad condition morally is a conclusive evidence that none of its religions and philosophies (…), have ever possessed the truth.

The right and logical explanations on the subject of the problems of the great dual principles — right and wrong, good and evil, liberty and despotism, pain and pleasure, egotism and altruism — are as impossible to them now as they were 1881 years ago. They are as far from the solution as they ever were; but to these there must be somewhere a consistent solution, and if our doctrines prove their competence to offer it, then the world will be quick to confess that must be the true philosophy, the true religion, the true light, which gives truth and nothing but truth.” (Mahachohan, letter with His visions. Letters from the Masters of the Wisdom, 1st Series, n. 1, p. 9)


The World in General, and Christendom Especially, As Well As Its Political and Social Systems, Has Now Proved a Failure

“The world in general, and Christendom especially, left for two thousand years to the regime of a personal God, as well as its political and social systems based on that idea, has now proved a failure. If the Theosophists say: ‘We have nothing to do with all this; the lower classes and the inferior races (those of India for instance, in the conception of the British) cannot concern us and must manage as they can,’ what becomes of our fine professions of benevolence, philanthropy, reform, etc? Are these professions a mockery? And if a mockery, can ours be the true path? Shall we not devote ourselves to teaching a few Europeans, fed on the fat of the land, many of them loaded with the gifts of blind fortune, the rationale of bell-ringing, cup-growing, of the spiritual telephone and astral body formations, and leave the teeming millions of the ignorant, of the poor and despised, the lowly and the oppressed, to take care of themselves and of their hereafter as best as they know how? Never. Rather perish the Theosophical Society with both its hapless founders than that we should permit it to become an academy of magic, a hall of occultism.

(…) And it is we, the humble disciples of these perfect Lamas, who are expected to allow the T.S. to drop its noble title, that of Brotherhood of Humanity, to become a simple school of psychology. No, no, good brothers, you have been labouring under mistake too long already.” (Mahachohan, letter with His visions. Letters from the Masters of the Wisdom, 1st Series, n. 1, p. 7 and p. 9)


It Is Necessary  a Greater, Wiser, and More Benevolent Intermingling of the High and Low of Society: Without the Soothing Influence of a Brotherhood, and the Practical Application of the Buddha’s Esoteric Doctrines the World Will Not Avoid Hitherto Unheard-of Disasters, Cruelty and Enormities

“To achieve the proposed object, a greater, wiser, and specially a more benevolent intermingling of the high and low, of the Alpha and the Omega of society, was determined upon. The white race must be the first to stretch out the hand of fellowship to the dark nations, to call the poor and despised “nigger” brother. (…)

In view of the ever increasing triumph and at the same time misuse of free-thought and liberty (the universal reign of Satan, Eliphas Levy would have called it), how is the combative natural instinct of man to be restrained from inflicting hitherto unheard-of cruelty and enormities, tyranny, injustice, etc, if not through the soothing influence of a brotherhood, and of the practical application of Buddha’s esoteric doctrines?” (Mahachohan, letter with His visions. Letters from the Masters of the Wisdom, 1st Series, n. 1, p. 4)


Exoteric Creeds Generate Opression and Struggle. It Is Esoteric Philosophy Alone that Can Bring Mediate State and Finally Lead to the Alleviation of Human Suffering

“Under the dominion and sway of exoteric creeds, the grotesque and tortured shadows of Theosophical realities, there must ever be the same oppression of the weak and the poor and the same typhonic struggle of the wealthy and the might among themselves . . . It is esoteric philosophy alone, the spiritual and psychic blending of man with Nature, that, by revealing fundamental truths, can bring that much disered mediate state between the two extremes of human Egotism and divine Altruism, and finally lead to the alleviation of human suffering.” (Adept. Letters from the Masters of the Wisdom, 2nd Series, n. 82, p. 157)


Esoteric Truths Are of the Highest Spiritual Importance, at Once Profound and Practical: They Have to Prove Both Destructive and Constructive — Destructive in the Pernicious Errors of the Past; But Constructive of New Institutions of a Genuine, Practical Brotherhood of Humanity

“The truths and mysteries of occultism constitute, indeed, a body of the highest spiritual importance, at once profound and practical for the world at large. Yet, it is not as a mere addition to the tangled mass of theory or speculation in the world of science that they are being given to you, but for their practical bearing on the interests of mankind. (…) They have to prove both destructive and constructive — destructive in the pernicious errors of the past, in the old creeds and superstitions which suffocate in their poisonous embrace like the Mexican weed nigh all mankind; but constructive of new institutions of a genuine, practical Brotherhood of Humanity where all will become co-workers of nature (…).” (K.H. The Mahatma Letters to A.P. Sinnett, n. 6, p. 23)


Universal Brotherhood Under the Law of Reincarnation and Karma Will Solve Many of the Problems

“But to understand Brotherhood, we must remember that evolution proceeds by reincarnation under the law of the karma. (…) Now most of you believe these two great teachings and in your individual lives they play a mighty part. Why do you not apply them to nations as well as to individuals, to social problems as well as to the helping of your own personal development? As the ideas of reincarnation and karma make their way in the western world, which has the habit of applying principles to practice, I think we shall find this Principle of Universal Brotherhood under the law of reincarnation and karma will solve many of the problems under which the western world is groaning, in our time.” (Annie Besant. The Ideals of Theosophy, p. 21)


Great Mission of True Altruism (Theosophy or Divine Wisdom): the Working Out of Clear Ethic Ideas and Duties, and the Modelling of Their Derived Institutions

“The problem of true Altruism (Theosophy or Divine Wisdom) and its great mission is the working out of clear, unequivocal conceptions of ethic ideas and duties which would satisfy most and best the altruistic and right feelings in us; and the modelling of these conceptions for their adaptation into such forms of daily life where they may be applied with most equitableness . . . Such is the common work in view for all who are willing to act on these principles. It is a laborious task and will require strenuous and persevering exertion, but it must lead you insensibly to progress and leave no room for any selfish aspiration outside the limits traced. (…)

The degree of success or failure are the landmarks we shall have to follow, as they will constitute the barriers placed with your own hands between yourselves and those whom you have asked to be your teachers. The nearer your approach to the goal contemplated, the shorter the distance between the student and the Master.” (Adept. Letters from the Masters of the Wisdom, 2nd Series, n. 82, p. 158)


Principle of the Democracy of the Future Present in One of the Oldest Known Books: the I CHING

Heaven above, the lake below: The image of CONDUCT.

Thus the superior man discriminates between high and low, and thereby fortifies the thinking of the people.

Heaven and the lake show a difference of elevation that inheres in the natures of the two, hence no envy arises.

Among mankind also there are necessary differences of elevation; it is impossible to bring about universal equality.

But it is important that differences in social rank should not be arbitrary and unjust, for if this occurs, envy and class struggle are the inevitable consequences.

If, on the other hand, external differences in rank correspond with differences in inner worth, and if inner worth is the criterion of external rank, then people acquiesce and order reigns in society.” [Richard Wilhelm. I Ching: the Book of Changes, Hexagram nº. 10, (Lu – the Conduct), pp. 46-47]


All Can Be Wise in the Local Questions, But that Does Not Happen in the Case of National and International Questions

“A peasant may be wise in the concerns of his village, but his opinion on complex international situations is not likely to be illuminative. He should have a voice on the one, not on the other.” (Annie Besant. The Ideals of Theosophy, p. 25)


Winston Churchill Quotes, Intelligent and Revealing About the Limitations of the Present Models of Democracy

“Many forms of Government have been tried, and will be tried in this world of sin and woe. No one pretends that democracy is perfect or all-wise. Indeed it has been said that democracy is the worst form of Government except for all those other forms that have been tried from time to time.” (Sir Winston Churchill, 11 November 1947)

“The best argument against democracy is a five minutes conversation with an average voter.” (Sir Winston Churchill)


Francis Bacon on the Need of New Untried Means to Perform Things That Have Never Yet Been Performed

“It would be madness, and inconsistency, to suppose that things which have never yet been performed, can be performed without employing some hitherto untried means.” (Francis Bacon. Aphorisms from the Novum Organum – 1620 – http://people.bu.edu/dklepper/RN242/aphorisms.html)


Above All Things Teach the Doctrine of the Spiritual Grades or Levels, Which Have No Relation to the Outward Condition of Life

“Above all things teach the doctrine of the Spiritual Grades or Levels. The Christians made a serious mistake in requiring the same rule of all persons. Castes are as ladders whereby to ascend from the lower to the higher. They are properly spiritual grades, and have no relation to the outward condition of life. Like all other doctrines, that of Caste has been materialised.” (Anna Kingsford.  Clothed With The Sun. Being the Book of the Illuminations of Anna Kingsford, p. 50)


Politics Involves the Welfare of All and Calls for the Best Heads With a Disinterested Spirit

“Politics, which involves the welfare and progress of all who constitute the State and affects other States, is a serious business which calls for the best heads with a disinterested spirit, and should not be a game of power played with the stakes of personal and group interests.” (N. Sri Ram. On the Watch Tower, p. 82)


The Problem of the Moment Is How to Find the Best Man, and Then to Place Him in the Seat of Power: Wthout This No Happiness Is Possible for the State

“The problem of the moment is how to find the best man, and then to place him in the seat of power. If you say: “What do you mean by ‘best’?” I answer: “I mean the wisest, the most strong-willed,the most resolute, the most unselfish.” Those are the qualifications of the Ruler, and without those qualifications in the Ruler, no happiness is possible for the State.” (Annie Besant. The Ideals of Theosophy, p. 25)


How to Find the Best Is the Problem: To Solve It You Must Realise the Hopelessness of the Present Line of Ruling

“Now our ideal of Brotherhood applied to Government claims for the wise and not for the ignorant (…) how to find the best? The Ideal is that the best should rule; but how to find them, that is the problem. Every one of us who studies must try to solve this problem, and the suggestions I am here making may perhaps give some hints for the solving.

But you will not try to solve it, until you realise the hopelessness of the present line of ruling – or not ruling – and accept the Ideal that the best should govern. When that is agreed on, then we shall bring our brains together to devise a means to find and choose the best, and to place them where they may serve the nation. And this must be done for the sake of the people, for the people who “perish for lack of knowledge,” and who can never, in their ignorance, save themselves.” (Annie Besant. The Ideals of Theosophy, pp. 28-30)


The Rulers Now Are “King” Purse and “King” Mob: Neither of Those Is a Ruler Who Is Likely to Make this Nation Great

“What about politics? On the detail of that, frankly, I have naught to say, for I am concerned only with principles. (…) Go back in history and you find the Kings ruling, and that built up the one nation of England. Then the Barons ruled, and they did not on the whole do so badly, for England was called Merrie England then, and certainly no one would dream of applying that name to it now. Then there came the England of Parliaments, getting duller and deader and deader; then the England of Commercialism. And who is our ruler now? Neither King nor Lords nor Parliament altogether, but on the one side King Purse, and King Mob on the other. Neither of those is a ruler who is likely to make this nation great. Liberty is a great celestial Goddess, strong, beneficent, and austere, and she can never descend upon a nation by shouting of crowds, nor by the arguments of unbridled passion, nor by hatred of class against class.” (Annie Besant. The Changing World, p. 101)


Organizational Structure of the Communist Parties Has Contributed More to the Success of Communism Than the Marxist Doctrine

“(…) they developed a yet more original structure, resting upon very small groups (a factory, a neighborhood, etc), strongly united by the processes of the ‘democratic centralism,’ and yet closed due to the technique of vertical connections: this admirable system of organizing the masses has contributed more to the success of communism than the marxist doctrine, or the poor standard of living of the working classes.” (Maurice Duverger, Os Partidos Políticos, p. 40)


The Communist Party Developed a Pyramidal Structure of Remarkable Organizational Efficiency: We May Regret the Application of the Tool, But We Have to Admire Its Technical Perfection

“We may think many things of the Communist Party: but we must recognize that the mechanisms it developed are of remarkable efficiency, and that we cannot deny them a democratic character, due to their constant care in keeping in touch with the bases, and of always ‘listening to the masses.’ (…) The strength of the Communist Party is that of having structured a scientific method that is able to achieve these results, with the double advantages of the scientific method: greater accuracy and availability to every one after satisfactory training. More deeply considered, the value of this method comes from the fact that its strength is not purely passive; it does not limit itself to registering the reactions of the masses, but permits acting upon them, orienting them gently, prudently, but in depth.  We may regret the application of the tool, but we have to admire its technical perfection.” (Maurice Duverger. Os Partidos Políticos, p. 93)


Fetish of Mass Suffrage Without Any Qualification Whatsoever

“Undoubtedly each man is competent in his own sphere, to say what he wants for his town or village and who will serve it best among those he knows. But when it comes to a question of deciding intricate issues of national and international import, it is but common sense that only those should exercise a vote who have some knowledge of what the issues are. Therefore it was that Dr. Annie Besant urged consistently, while she was concerned with these matters in Indian politics, that India should not, in shaping her Constitution, adhere to the fetish of mass suffrage without any qualification whatsoever.” (N. Sri Ram. On the Watch Tower, p. 81)


Proposal of a System in Harmony with the Law of the Universal Brotherhood (Annie Besant, N. Sri Ram and Jai Prakash Narain)

“Some time ago Pandit Nehru, in one of his speeches, threw out rather vaguely the idea that some day, instead of the present manner of elections to the Indian Parliament, some system, less direct and more suited to conditions in India, might be considered.

Since then, Mr. Jai Prakash Narain (…) has more definitely proposed, in the place of the present form of Democracy in India, a system somewhat similar to that proposed by Dr. Annie Besant in the days of her agitation for Indias Freedom. She did not think that the rule one man, one vote’ was good for any country, and least of all did she favour it for India. Therefore she outlined, in her Commonwealth of India Bill, a system which would be broad-based at the village (and corresponding town) level, with adult suffrage and a very large measure of autonomy, and then gradually taper like a pyramid through the District and State (or Province) levels, up to the Central Government. The franchise for the Councils at these higher levels was to be based on increasingly higher qualifications of service, experience, education, etc.

Her scheme, if it had been backed up by the other political leaders of the time, particularly by the Congress party, would have been acceptable to the people of India as a whole. The principle of a reasonable qualification for the vote and for membership of the Councils would have been firmly established. But her pleadings went in vain. Mr. Gandhi stood for mass suffrage, and that decided the question.

Mr. Jai Prakash Narain also envisages a strong and practically self-sufficient village base to consist of Village Councils, village meaning also a town, ward or borough, but indirect elections from these Councils to District Councils, from the latter to State or Provincial Legislatures, and from these to the Parliament of all India.

Mr. Jai Prakash Narains is as yet a lonely voice in the wilderness of the present political conditions in India. The description of them as a wilderness may seem an exaggeration but when one looks at the various sectional interests which are so clamant and the variety of councils on different matters to which it utterance is given, one cannot but feel the truth of Dr. Besants description of democracy in its present form as government by multi-headed ignorance.” (N. Sri Ram. On the Watch Tower, p. 86)


India Should Evolve a New Model of Democracy

“If India can evolve a form of democracy in which there is some chance for the needed wisdom to come to the top, she will thereby be serving the best interests of her own people, as well as setting an example that might help and inspire other peoples.” (N. Sri Ram. On the Watch Tower, p. 82)


Participatory Democracy (or the Democracy of the Future), in the Vision of Professor C.B. Macpherson

“Let me turn finally to the question of how a participatory democracy might be run if we did achieve the prerequisites. How participatory could it be, given that at any level beyond the neighbourhood it would have to be an indirect or representative system rather than face-do-face direct democracy?

If one looks at the question first in general terms, setting aside for the present both the weight of tradition and the actual circumstances that might prevail in any country when the prerequisites had been sufficiently met, the simplest model that could properly be called a participatory democracy would be a pyramidal system with direct democracy at the base and delegate democracy at every level above that. Thus one would start with direct democracy at the neighbourhood (…) – actual face-to-face discussion and decision by consensus or majority, and election of delegates who would make up a council at the next more inclusive level, say a city borough or a ward or township. (…)

So it would go on up to the top level, which would be a national council for matters of national concern, and local and regional councils for matters of less than national concern. At whatever level beyond the smallest primary one the final decisions on different matters were made, the issues would certainly have to be formulated by a committee of the council. (…)

This may seem a far cry from democratic control. But I think it is the best we can do. What is needed at every stage, to make the system democratic, is that the decision-makers and issue-formulators elected from below be held responsible to those below subject to re-election or even recall. (pp. 108-109)
(…)

To sum up the discussion so far of the process of a pyramidal councils system as a model of participatory democracy, we may say that in the measure that the prerequisite conditions for transition to a participatory system had been achieved in any Western country, the most obvious impediments to a pyramidal councils scheme being genuinely democratic would not be present, and, therefore, a pyramidal system might work. (…)

It is much more likely that any such move will be made under the leadership of a popular front or a coalition of social-democratic and socialist parties. (…) The real question then is, whether there is some way of combining a pyramidal council structure with a competivie party system.

The combination of pyramidal direct/indirect democratic machinery with a continuing party system seems essential. Nothing but a pyramidal system will incorporate any direct democracy into a nation-wide structure of government, and some significant amount of direct democracy is required for anything that can be called participatory democracy. At the same time, competitive political parties must be assumed to be in existence, parties whose claims cannot, consistently with anything that could be called liberal democracy, be overridden.

Not only is the combination of pyramid and parties probably unavoidable: it may be positively desirable. (pp. 111-112)
(…)

One question remains: can this model of participatory democracy be called a model of liberal democracy? I think it can. It is clearly not dictatorial or totalitarian. The guarantee of this is not the existence of alternative parties (…). The guarantee is rather in the presumption that no version of the model of participatory democracy could come into existence or remain in existence without a strong and widespread sense of the value of that liberal-democratic ethical principle (which is the heart of its main models): – the equal right of every man and woman to the full development and use of his or her capabilities. (…)

As long as there remained a strong sense of the high value of the equal right of self-development, the model of participatory democracy would be in the best tradition of liberal democracy. (pp. 114-115)
(C.B. Macpherson. The Life and Times of Liberal Democracy, pp. 108-115)


THE DEMOCRACY OF THE FUTURE

Chapter nº. 8 of the book: O Que Há de Errado com a Política? (Fundamentos para uma Verdadeira Democracia) (What Is Wrong With Politics? (Fundaments for a True Democracy)

(NOTE: Long quotation still in Portuguese Language)

“Requisitos Para Um Modelo Alternativo Competente

Tendo deixado claro o fracasso dos modelos dominantes e porque eles não poderão assegurar jamais – especialmente em relação aos países pobres do mundo  – uma ordem social justa e competente, que possa significar a superação do quadro de exclusão e miséria de tantos milhões que assistimos em nossos dias.  Chegamos agora ao momento em que devemos apontar pelo menos algumas diretrizes gerais a respeito de como seria um modelo político alternativo, que tivesse pelo menos a chance de alterar substancialmente esse panorama.

Já vimos anteriormente que a premissa, isto é, a visão de humanidade por detrás deste modelo deve ser aquela que nos mostra a humanidade como uma fraternidade, o que implica no reconhecimento da unidade essencial dos seres humanos, bem como das suas grandes diferenças de capacidades. Quais, então, seriam as características principais de um novo modelo de organização política, que atendesse às necessidades antes expostas, para um processo justo e competente de seleção dos governantes, bem como à necessidade de dotar esses governantes do suficiente poder de coerção?

Como vimos anteriormente, os requisitos essenciais que devem existir simultaneamente para um competente processo de escolha dos dirigentes são: 1) liberdade; 2) igualdade de oportunidades ou de condições nas disputas políticas; e 3) uma boa adequação entre a responsabilidade ou o grau de dificuldade das funções e as características da consciência social (ou dos níveis de capacidade) da população. Já no que diz respeito à geração do necessário poder de coerção pelo sistema – de modo que os governantes possam disciplinar a atuação das grandes organizações – o requisito necessário é que o modelo político promova uma organização coesa de toda a população.

Em vista, sobretudo, das características dos diferentes níveis de consciência da população e da simultânea necessidade de que a liberdade de escolha seja preservada, bem como garantida uma igualdade de oportunidades na disputa política, a primeira conclusão é a da total inviabilidade de eleições diretas envolvendo grandes populações.

Representação em Cascata: a Democracia do Futuro

À primeira vista nos encontramos em um beco sem saída. Mas, na realidade, um pouco mais de reflexão nos mostra que há uma solução consistente para esse aparente paradoxo. Trata-se de um modelo que contemple eleições muito menos diretas, e que garanta que essas eleições nunca impliquem em processos de escolha envolvendo diretamente grandes massas, muito embora preservando a liberdade e uma rigorosa proporcionalidade entre as várias pequenas circunscrições eleitorais.

Desse modo, esse sistema teria como base circunscrições eleitorais bastante pequenas, a exemplo de vilas, vizinhanças, pequenos bairros ou municipalidades bem pequenas, de preferência jamais ultrapassando uma dimensão bastante humana, na qual o conhecimento pessoal entre os indivíduos não fosse uma coisa impossível ou mesmo extremamente difícil. A que número de pessoas estaríamos aproximadamente nos referindo? Esse número pode variar significativamente em se tratando de áreas rurais ou urbanas, uma vez que nas áreas urbanas de grande concentração populacional as distâncias físicas entre um número expressivo de pessoas são bastante pequenas, com grandes edifícios etc., e nessas condições a comunicação interpessoal é muito mais facilitada, o número da população dessa primeira circunscrição político-eleitoral poderia ser significativamente maior do que em áreas de grande dispersão populacional, onde as pessoas tenham dificuldades muito maiores de estabelecerem contatos face a face.

Essas diferenças de número de pessoas nesse primeiro nível eleitoral não têm importância alguma, uma vez que sempre se manterá uma rigorosa proporcionalidade entre representantes e representados. Se, apenas por hipótese, o coeficiente for de 50 para 1 neste primeiro nível, então, se numa circunscrição houver 1.000 eleitores, haveria 20 representantes do primeiro nível. Se outra circunscrição básica contar com apenas 200 eleitores, ela elegerá apenas quatro representantes do primeiro nível, e assim por diante. A rigorosa proporcionalidade sendo um óbvio requisito para a igualdade de oportunidades.

O modelo de representações sucessivas se estreitaria gradualmente como uma pirâmide, através do nível dos Distritos, das Micro-regiões, dos Estados (ou Províncias), e daí para o Congresso Nacional, o qual escolheria um gabinete com um chefe executivo, tal como um primeiro-ministro em um sistema parlamentarista. Convém notar, no entanto, que esse sistema assemelha-se ao sistema parlamentarista convencional apenas no topo da pirâmide, sendo todo o processo de escolha e seleção completamente diferente dos sufrágios de massa até chegar ao nível do Congresso Nacional.

Se levarmos em conta as enormes vantagens desse sistema em relação aos atuais torna-se quase inacreditável que um sistema assim não tenha sido experimentado seriamente em nenhum lugar, ao menos que tenhamos conhecimento. Examinemos um pouco essas vantagens, em comparação com os atuais sistemas dominantes: a democracia liberal e o totalitarismo marxista.

A Liberdade é Garantida

Em relação ao totalitarismo marxista a sua grande vantagem é que a liberdade é absolutamente preservada nesse sistema, enquanto que nas chamadas ditaduras do proletariado a liberdade é sacrificada. Nesse contexto, é claro, só existe igualdade de oportunidades para os membros do partido, se tanto. Ou seja, não existe igualdade de oportunidades no totalitarismo marxista, enquanto que nesse sistema proposto ela existe, e é quase tão grande quanto é possível humanamente imaginar-se.

Quanto aos outros aspectos essa democracia do futuro, conforme nos referimos no título, não perde em nada para o totalitarismo marxista, o qual tem na adequação entre funções e capacidades, e na organização coesa de toda a população os seus pontos fortes. Ora, esses pontos são igualmente fortes nessa democracia do futuro, uma vez que ela é muito parecida nesses particulares aspectos, sendo, na realidade, ainda superior ao totalitarismo marxista, pois esse exclui do processo de escolha muitas pessoas inteligentes e capazes, apenas porque elas não pertencem ao partido comunista, ou assemelhados.

Um Processo com Igualdade de Oportunidades

Que dizer então da comparação com o sistemas hoje hegemônicos no mundo que são os atuais modelos de democracia liberal? A liberdade que é o ponto forte das atuais democracias liberais também é plenamente preservada nessa democracia do futuro. Sob alguns aspectos, de fato, há até mesmo mais liberdade nessa do que nas presentes democracias liberais, porque nessas últimas por vezes o voto é obrigatório, enquanto na primeira é livre; nas últimas geralmente os candidatos devem estar filiados a algum partido, na primeira os candidatos podem ou não, dependendo de suas livres escolhas, estarem filiados a algum partido; nas últimas para ser candidato quase sempre a pessoa depende da escolha dos partidos, mas nessa democracia do futuro a decisão depende apenas de sua livre escolha. Vemos, assim, que mesmo sob esse aspecto que é o forte das atuais democracias liberais, esse novo modelo de democracia não lhe fica devendo nada, e até mesmo tem algumas vantagens.

Quanto a todos os outros aspectos essa democracia do futuro é muito superior às democracias liberais hoje existentes. Ela garante uma imensa igualdade de oportunidades nos processos eleitorais, enquanto que nos atuais modelos de democracias liberais apenas os privilegiados materialmente, os comunicadores de massa e os demagogos é que têm chance de serem eleitos para os cargos de maior responsabilidade.

A Harmonia entre Funções e Capacidades

Quanto à adequação entre funções e capacidades quase não há necessidade de comentários, tamanhas são as vantagens do modelo sugerido em relação aos sufrágios de massa das democracias liberais de nossos dias. Nessa democracia do futuro há uma gradual qualificação dos eleitores Eleitores que foram diretamente eleitos na base do sistema, e que, daí em diante, foram os eleitos no nível imediatamente inferior. É quase ridícula a comparação, mas qual seria o percentual dos que elegeriam os representantes para o Congresso Nacional nesse novo modelo que não saberiam sequer dizer o que é uma Assembléia Constituinte? Certamente esse percentual seria zero, ou seja, nenhum dos representantes desse nível desconheceria uma questão tão elementar! Comparemos isso com os 70,5 % que no Rio Grande do Sul não sabiam responder a essa questão tão elementar, mas que constituíram o próprio eleitorado que escolheu os constituintes em 1986! Haveria necessidade de outras comparações? Haveria alguma dúvida de que nessa democracia do futuro teríamos um Congresso Nacional extraordinariamente mais qualificado?

A Geração do Poder Necessário

Finalmente, também quanto à capacidade de gerar o suficiente poder de coerção nas mãos dos dirigentes o modelo aqui defendido é muitíssimo superior os modelos de democracias liberais hoje existentes. No modelo proposto a população está toda ela muito bem organizada, não de forma frouxa e atomizada como nas atuais democracias liberais. É quase impossível reprimir-se violentamente um sistema como esse. Se, por hipótese, uma força militar impedisse o funcionamento do Congresso Nacional, ainda assim todo o resto da população continuaria politicamente organizada, em uma cascata de pequenos conselhos ou assembleias, na maioria dos casos tão pequenos que poderiam se reunir em uma ampla sala de estar. Como reprimir uma organização assim? É algo quase impossível.

Tudo isso sem mencionar o fato evidente de que talvez a maior força política nessa democracia do futuro seja a grande e incomparavelmente maior qualificação dos seus dirigentes mais elevados (em relação às formas presentes de democracia liberal), o que lhes garantiria, apenas por esse aspecto, enorme apoio popular. Que diferença dos exemplos recentes da política brasileira, onde vemos casos e mais casos de corrupção, de incompetência, e assim por diante.

Necessita-se de Um Exemplo para as Nações

O país que conseguir em primeiro lugar adotar o modelo de organização política dessa democracia do futuro, na qual existe, de fato, uma real chance para que a necessária sabedoria chegue até os cargos de maior poder e responsabilidade, estará, desse modo, servindo aos mais elevados interesses do seu próprio povo, e estará também dando um exemplo que certamente ajudará e inspirará outros povos.

Em vista das análises anteriores, parece pouco necessário compararmos mais esse modelo com os modelos dominantes no mundo inteiro em nossa época. Essa democracia do futuro parece sob todos os aspectos muito mais eficaz do que os atuais, tanto em termos de competência do processo de escolha dos dirigentes, quanto em termos de gerar um poder de coerção muito maior nas mãos dos dirigentes, de modo que eles possam disciplinar a atuação das gigantescas organizações públicas e privadas, pois esse novo modelo organiza de forma muito mais coesa toda a população de qualquer sociedade.

Tanto a muito melhor qualificação dos governantes, quanto a maior coesão organizacional, mudariam substancialmente o quadro caótico e perpetuador de injustiças de todo o tipo que hoje temos. E isso é da maior importância, sobretudo para as nações pobres, que hoje praticamente não têm esperança alguma, dentro dos atuais modelos, quer liberais, quer marxistas, de superarem o círculo vicioso da miséira e do subdesenvolvimento.
[Arnaldo Sisson Filho. 8th chapter of the work:  O Que Há de Errado com a Política? (Fundamentos para uma Verdadeira Democracia) (What Is Wrong With Politics? (Fundaments for a True Democracy)]


THE RELATION BETWEEN RELIGION AND SOCIAL ORGANIZATION

Second part of the 6th chapter of the work: A Roda e a Cruz: Uma Introdução ao Cristianismo Budista (The Wheel and the Cross: An Introduction to Buddhist Christianity)

(NOTE: Long quotation still in Portuguese Language)

“VIVIANE: Qual a ligação entre religião e organização da sociedade?

ARNALDO: Embora hoje haja a tendência para se considerar a religião e a organização sócio-política como coisas relativamente separadas, por muito tempo foram quase uma coisa só, caminhando juntas. Isso porque uma influencia decisivamente a outra ao longo de toda a história.

O que hoje temos como o chamado Cristianismo, como disse, essa interpretação materializada e idólatra dos ensinamentos de Jesus, com os seus antecedentes, é o que está na base de nosso cruel modelo civilizatório. Naturalmente, não estamos ignorando a tradição greco-romana, ou a judaica. Porém, essas tradições foram modificadas por uma dada interpretação dominante dos ensinamentos de Jesus. É isso que se constitui no que o mundo chama de Cristianismo. E é esse conjunto que está na base da civilização ocidental e de suas principais instituições de organização sócio-política.

Com o colapso do Império Romano Ocidental, ao longo de toda a Idade Média, foram os mosteiros e depois as primeiras universidades que exerceram essa influência civilizatória de base. Durante toda essa época a religião tinha papel cultural evidentemente dominante. Depois, aos poucos, esse domínio foi enfraquecendo, com todas as transformações que marcaram o advento da chamada Idade Moderna, até que ocorreram as reformas protestantes, e foi ocorrendo o desenvolvimento do que chamamos de ciência moderna. Mas a base do pensamento ainda tem sua origem nessa tradição religiosa deturpada. Na Idade Moderna e Contemporânea, a tradição religiosa foi se modificando; agora está mesclada e, em boa medida, está em conflito e sendo subjugada pelo pensamento dito científico.

Na verdade, foi justamente a materialização, a idolatria religiosa – seja a dita católica, seja a dita protestante – que gerou esse tipo de ciência que hoje é dominante. Uma coisa é filha da outra. A base, a matriz de toda essa civilização continua sendo aquela religião principal do Ocidente, que é o que o mundo chama de Cristianismo.

Apenas, na Idade Moderna e Contemporânea, essa influência se tornou menos explícita e mais indireta, com a intermediação do pensamento laico. Mas ainda a religião dominante no Ocidente é o Cristianismo, isso que se chama de Cristianismo. Muitos chamam a isso de tradição judaico-cristã – e na verdade é, tanto judaico como greco-latina e cristã. E, se falamos também em tradição judaica e em tradição greco-latina, estamos falando daquelas tradições que influenciaram o Judaísmo e a cultura greco-romana. Chegamos então nas culturas da Mesopotâmia e do Velho Egito.

Tudo isso está na base da civilização ocidental, a qual está amplamente dominando o mundo, como é tão claro.

“A fé cristã é a herdeira direta da velha fé romana. Roma foi a herdeira da Grécia, e a Grécia do Egito, de onde se originaram o legado de Moisés e o ritual hebraico.

O Egito foi apenas o foco de uma luz cuja verdadeira fonte e centro era o Oriente em geral – Ex Oriente Lux. Pois o Oriente, em todos os sentidos, geograficamente, astronomicamente e espiritualmente, é sempre a fonte de luz.

Mas, embora originalmente derivada do Oriente, a Igreja de nossos dias e de nosso país é modelada diretamente a partir da mitologia greco-romana, e de lá retira todos os seus ritos, doutrinas, cerimônias, sacramentos e festivais. (…)

Extraindo sua essência-vital diretamente da fé pagã do velho mundo Ocidental, o Cristianismo mais proximamente se parece com seus pai e mãe imediatos, do que com seus ancestrais remotos, e será, então, melhor exposto com referência a suas fontes da Grécia e de Roma, do que com referência a seus paralelos bramânicos e védicos”. [The Credo of Christendom (O Credo do Cristianismo), pp. 94-95]

Foi essa civilização ocidental – com todas essas influências, mais o pensamento laico científico moderno – que resultou no Liberalismo e no Marxismo, que até hoje são as principais e dominantes filosofias sociais e que, portanto, são as principais matrizes dos modelos de organização sócio-política.

Essas filosofias, materialistas e materializadas, criaram um novo sacerdotalismo, que até certo ponto combate e domina, como disse, o sacerdotalismo religioso. Sabemos, inequivocamente, que elas são dominantes porque são elas que estão formatando as instituições, as principais instituições que organizam a vida sócio-política dos principais países, isto é, dos países que dominam a maior parte do mundo. Isso tudo, como disse, tem como base essa degeneração da verdadeira religião cristã, que está fundamentalmente ligada ao Budismo, assim como aos ensinamentos de Pitágoras.

O Cristianismo como está hoje – dominado pela idolatria literalista do sacerdotalismo – com o modelo civilizatório por ele influenciado, com a violência crescente entre os humanos e para com os animais, com a destruição de elementos importantes do meio ambiente natural, está levando o mundo direto para a colisão com o iceberg das catástrofes ambientais e sociais, que talvez se iniciem com as pandemias que, até mesmo segundo o relato de trabalhos científicos, podem ocorrer em um futuro não muito distante.

Chegamos nesse ponto porque esse falso Cristianismo, com seu sacerdotalismo, com seu literalismo, com sua superficialidade e com sua idolatrização das Escrituras Sagradas gerou, direta ou indiretamente, e continua apoiando, instituições incapazes de organizar o mundo de uma forma satisfatória, equilibrada e justa.

Então, é urgente uma re-interpretação, um resgate do verdadeiro Cristianismo, o qual, segundo a Dra. Anna Kingsford, é uma continuação e compõe uma unidade, um todo harmônico, com a base dos ensinamentos sagrados que o antecederam, especialmente, repito, com os ensinamentos genuínos e corretamente interpretados do Buda Gautama e de Pitágoras.

Admitindo essa última afirmação como verdadeira, teremos, necessariamente, que resgatar, que restaurar a verdadeira religiosidade dessa tradição una, pois disso dependeriam as possibilidades de novas instituições, de novos instrumentos de organização sócio-política que nos permitiriam evitar e superar o iceberg que se aproxima, se é que isso ainda é possível; se é que é possível, depois de tanta crueldade, evitar essa colisão.

Mas, mesmo que isso não seja mais possível, ainda assim, temos o dever e a necessidade de nos preparar para o day after, o dia seguinte. Pois tudo continuará após o iceberg, e temos que trabalhar por tão esperados melhores dias, com ou sem colisão com o iceberg. Temos que, queiramos ou não, semear as boas sementes para antes, durante e depois, pouco importa, das catástrofes, que hoje se afiguram como quase inevitáveis, mais cedo ou mais tarde. Mas, quando os profetas falam essas coisas, quem lhes dá ouvidos? E é justamente essa surdez que torna as catástrofes tão inevitáveis. Paciência e oração…

Repetindo, e tentando resumir, para melhorarmos as bases da civilização ocidental precisamos melhorar o Cristianismo que aí está. Precisamos resgatar, precisamos restaurar, como fizeram Kingsford e Maitland, o verdadeiro Cristianismo, o qual, segundo esses profetas, compõe uma totalidade com o Budismo e com os ensinamentos de Pitágoras. Com esse resgate poderemos ter uma verdadeira visão de Deus, de ser humano, de caminho espiritual e de valores éticos. E, ao externalizarmos essa visão em nossa maneira de viver, individual e coletivamente, ela irá se converter em novas instituições sociais: jurídicas, políticas, educacionais, econômicas e assim por diante. Disso, segundo os profetas Kingsford e Maitland, “nascerá a esperada redenção do mundo”. (The Perfect Way, p. 252)

VIVIANE: O Oriente parece ter uma tradição mais ligada aos símbolos do que o Ocidente. Vemos, por exemplo, a dança indiana, que é toda simbólica. Os orientais aparentemente têm essa ligação maior com os simbolismos religiosos. Esse contato maior com os símbolos facilita seu entendimento?

ARNALDO: Acredito que a maioria do povo oriental, quando interpreta os símbolos, não o faz bem, inclusive os seus próprios símbolos. Por isso a religião oriental está como vemos. O que acontece é que eles aceitam mais – não que entendam mais – porque isso faz parte da sua cultura rigidamente estratificada.

Gostaria de ressaltar que estratificação rígida é diferente de um simples e natural escalonamento. Na sociedade humana não é algo benéfico essa rígida estratificação, no sentido de impor que a pessoa que está aqui não possa chegar ali mais adiante, como ocorre nas degeneradas castas indianas. Nessa cultura, quem é de uma casta deve viver e morrer nessa casta.

Essa é uma degeneração de um princípio sagrado, de uma lei verdadeira e da maior importância que é o ensinamento que deu origem às castas, mas que estão desde tanto tempo degeneradas. Esse escalonamento social não é mais entendido como reflexo do caráter, dos níveis evolutivos das Almas, mas, na degeneração atual, é determinado pela casta em que a pessoa nasceu. Na verdade, o valor interno, o caráter, é que deve determinar o escalonamento; é de dentro para fora e, idealmente, depende do nível de maturidade da Alma. E não determinado de forma rígida, pelo grupamento social em que o ser humano nasceu.

“Acima o céu, abaixo o lago: a imagem da CONDUTA.

Assim o homem superior discrimina entre o alto e o baixo e fortalece desse modo a mente do povo.

O céu e o lago evidenciam uma diferença de altitude inerente à essência dos dois, e que, por isso, não desperta inveja. Assim também entre os homens há, necessariamente, diferenças de nível. É impossível chegar a uma igualdade universal. Porém, o que importa é que as diferenças de nível na sociedade não sejam arbitrárias e injustas, pois nesse caso a inveja e a luta de classes inevitavelmente se seguiriam. Se, ao contrário, às diferenças de nível externo corresponderem diferenças de capacidade interna, e o valor interno for o critério para a determinação da hierarquia externa, a tranqüilidade reinará entre os homens e a sociedade encontrará ordem”. (p. 56) [Lu – A Conduta (Trilhar) – Hexagrama nº. 10 do I CHING: o Livro das Mutações]

VIVIANE: Parece difícil para o ser humano, com o conhecimento que tem, na forma como vê o mundo, fazer essa distinção, determinar o nível externo, social, a partir do interno, do caráter dos indivíduos.

ARNALDO: Realmente é difícil, mas sua importância é decisiva se quisermos uma ordem social justa e com chances de superar os imensos problemas que aí estão, pois disso depende a possibilidade de uma boa escolha dos dirigentes, sem o que não há qualquer possibilidade de uma ordem social harmônica.

No Humanitarismo, o sistema que temos proposto, derivado logicamente de uma razoável base filosófica e religiosa cristã-budista, isto é, católica, universal, resolvemos esse problema da excessiva estratificação, ou do excessivo igualitarismo, aceitando um escalonamento sem rigidez, mostrando que podem ser definidos níveis com liberdade, através de eleições, como, em alguma medida, faziam os soviets russos – só que de uma forma mais satisfatória, mais digna, mais coerente com a dignidade humana, porque lá não havia liberdade e nossa proposta é baseada na liberdade. Não numa falsa liberdade absoluta, não na liberdade do tipo “raposa dentro do galinheiro”, porém na liberdade irmanada à fraternidade, que implica num escalonamento harmônico da liberdade e da responsabilidade, de forma proporcional e pertinente.

Como isso é possível, ou seja, criar-se uma ordem harmônica, sem ignorar que existe o escalonamento e sem excessivo igualitarismo? Dando liberdade para as pessoas escolherem seus representantes, só que em pequenos grupamentos sociais, a partir de pequenas populações, ou de uma base micro-distrital. Dessa forma as pessoas podem se conhecer pessoalmente e se cria um primeiro colégio de representantes com liberdade, igualdade de oportunidades e adequação entre as capacidades e os níveis de responsabilidade.

Desse modo, esses primeiros representantes micro-distritais vão escolher seus representantes municipais (pequenas municipalidades); esses representantes das pequenas municipalidades vão escolher os representantes das micro-regiões; a partir daí, analogamente são escolhidos aqueles das regiões (ou estados), e assim chegando às Assembléias Nacionais e, futuramente, até um Governo Mundial.

Em um sistema assim, primeiro você faz a adequação à estrutura da maturidade das Almas, construindo um escalonamento, mas não despoticamente. As pessoas escolhem em liberdade, dentro dos diferentes níveis escalonados. Entre outros fatores cruciais, somente assim se preserva a igualdade de oportunidades, tanto quanto possível, em nosso mundo de tantas limitações.

VIVIANE: Quem determina quem é de que nível?

ARNALDO: A própria população, os próprios indivíduos, ao escolherem livremente seus representantes, em cada nível do escalonamento social, como sinteticamente descrevemos.

VIVIANE: As pessoas mesmas se qualificam?

ARNALDO: Naturalmente haverá regras eleitorais pertinentes a esse novo modelo de escolha dos dirigentes. O decisivo é entendermos a importância fundamental dos pequenos grupamentos humanos e o absurdo das escolhas de grandes massas humanas.

Quando um pequeno grupo social escolhe livremente seus representantes – por exemplo, os representantes de um pequeno micro-distrito, onde os indivíduos possam se conhecer pessoalmente sem muita dificuldade – escolhe as pessoas que considera mais capazes de representá-lo, para fazer as leis etc.. Quando se trabalha com uma população eleitoral grande, com muitos milhares, ou mesmo milhões, isso se torna uma imoralidade, é algo injusto e incompetente, porque a igualdade de oportunidades desaparece, entre outros problemas. A injustiça se instala no seio da ordem social. Não se consegue mais harmonia entre o nível interno de maturidade e o nível externo no escalonamento social. A partir disso é só conflito, corrupção, violência, maus exemplos, más decisões. Não há mais solução possível, o conflito segue-se de forma inevitável, como na passagem citada do antiquíssimo I Ching. É só olhar para nossa sociedade, para nosso país. Ou para o mundo.

VIVIANE: Para eleger esse tipo de representante o grupo escolhe entre “x” pessoas que se autodeclararam com capacidade para tal função. Mas essa declaração individual não impede que alguém não capaz seja candidato e eleito, mesmo sem ser capaz. Você acha que o ser humano tem capacidade para fazer esse escalonamento?

ARNALDO: Com certeza tem essa capacidade, desde que haja justiça, ou seja, liberdade e igualdade de oportunidades no processo de escolha. Por isso é humano, por isso a liberdade de escolha é um valor fundamental. O Humanitarismo, como o radical da própria palavra indica, é uma afirmação de confiança no humano. A verdadeira humanidade é divinamente inspirada, pois foi feita à imagem e semelhança de Deus.

O Humanitarismo se preocupa, antes de qualquer outra questão de organização sócio-política, em oferecer um processo correto e justo de escolha dos representantes. Sim, a humanidade tem essa capacidade, repito, desde que o processo seja justo, ou seja, desde que se preserve a liberdade, a igualdade de oportunidades e a adequação entre níveis de capacidade e níveis de escolha ou responsabilidade social.

O gradiente das consciências e algo como uma pirâmide. E no topo da humanidade estão almas bem próximas da divindade, da verdade e do amor. E esse topo também faz parte da família humana. Assim, como já falava o velhíssimo I Ching – que é considerado como talvez sendo o livro mais antigo conhecido – a questão é a harmonia entre o poder externo e as capacidades internas.

O cerne do problema político, o primeiro problema em ordem de importância, é como escolher bem os representantes, e a solução desse problema crucial, como explica o Humanitarismo, como também já explicava o tão antigo I Ching, entre tantas outras Escrituras inspiradas divinamente, depende necessariamente da existência de um escalonamento digno, que não ofenda a dignidade divina do ser humano. Uma verdadeira religião deve inspirar a solução desse primeiro e mais importante problema político. Pois disso depende vitalmente o bem estar coletivo.

O segundo principal problema político é como dotar esses representantes de suficiente poder para tomarem e sustentarem as decisões necessárias. Podemos ter um bom governante e ele pode não ter em suas mãos o necessário poder. Ou ter alguém com muito poder que é um déspota, que não é um bom governante. O objetivo maior, a primeira e mais importante questão da organização sócio-política é, como dissemos, escolher bem os nossos representantes. E, depois disso, dotar esses representantes, escolhidos com justiça e competência, do necessário poder para sustentar suas decisões.

VIVIANE: Como fazer isso?

ARNALDO: Já dissemos que o primeiro passo é garantir a liberdade. Sem liberdade as pessoas olham e com razão se questionam: “Quem escolheu isso?” Liberdade é essencial. Até mesmo para uma criança é preciso dar uma boa dose de liberdade – mas não pode ser liberdade absoluta. Esse parece ser o ponto crucial de toda a questão da organização sócio-política: a liberdade deve estar adaptada ao nível de consciência de cada um. E isso é impossível sem um digno e justo escalonamento. Sem isso, todo o mais fica corrompido, não há mais solução possível.

Em segundo lugar, como também já foi dito, precisamos ter igualdade de oportunidades. Sem a igualdade de oportunidades, é como se em um exame um candidato recebesse o gabarito das respostas e os outros não. Se não houver igualdade de oportunidades o processo está viciado, é injusto, é corrupto e corruptor, como no caso do nosso sistema sócio-político baseado nos princípios equivocados do Liberalismo, ou daqueles sistemas baseados no Marxismo.

E por último, mas não menos importante, tem que haver adequação entre o nível de escolha e o nível de compreensão daquela população. Por exemplo: em 1993 houve um plebiscito para escolher entre os sistemas de governo presidencialista e parlamentarista. Naquela ocasião, a metade da população eleitoral brasileira não sabia distinguir entre um e outro. Assim, não tem sentido fazer uma escolha desse tipo, ainda mais com voto obrigatório.

O povo não estava capacitado para decidir diretamente sobre aquela questão macro-social. Mas estava e está preparado para saber, em sua pequena comunidade, quem pode representá-lo para defender seus interesses em sua vizinhança, ou micro-distrito. Toda a vida da organização sócio-política, necessariamente, deve iniciar por ali, de forma natural, adaptada aos níveis das consciências, de forma digna, justa e competente.

Se não for assim, pode preparar o bote salva-vidas, pois o choque com o iceberg será inevitável. É “simples, doce e lógico”, como na frase atribuída ao Buda Gautama. Mas nossas elites, nossos irmãos de maior poder intelectivo, parecem preferir, por assim dizer, a injustiça, a crueldade e o delírio. Isso acontece, como vimos, por terem suas mentes dominadas pelos sacerdotalismos, quer o sacerdotalismo dito religioso, quer o sacerdotalismo dito cientifico.

É muito mais fácil, lógico e justo poder escolher numa pequena comunidade quem tem capacidade para lutar por nossos interesses. Se nem isso for possível, muito menos será possível decidir sobre questões muito mais abrangentes. É tão evidente e lógico. É, certamente, um processo de escolha dos dirigentes muito melhor do que os que aí estão. E talvez seja o melhor que possamos fazer em nossa época.

Retornando para uma imagem religiosa, podemos ler no Livro de Jó que: “En los ancianos está la sabiduría, y en largura de días el entendimiento”. Ou seja, a sabedoria está com os “mais velhos” – com aqueles que possuem maior “idade”, e assim maior capacidade da Alma. (Jó, 12:12) Naturalmente, trata-se de uma alegoria àqueles de maior maturidade interna, ou de Alma, e não à mera idade cronológica do corpo, como podemos ler no Livro da Sabedoria: “Velhice venerável não é longevidade, nem é medida pelo número de anos; as cãs do homem são a inteligência, e a velhice uma vida imaculada”. (Sabedoria, 4:8-9)

Mas isso só pode ser julgado de forma digna, justa e competente pela comunidade se houver a necessária liberdade e a necessária igualdade de oportunidades. Fora disso, onde poderemos encontrar dignidade e justiça? E sem dignidade e justiça, podemos esquecer a harmonia e a paz. Na Bíblia, entre outras passagens, isso também está implícito no ensinamento da Filosofia Perene contido na passagem que diz: “buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas”. (Mateus, 6:33) Naturalmente, essa frase tem muitos níveis de significado, mas ela também se aplica às condições fundamentais da organização social, da organização política das sociedades e, portanto, de um processo justo de como escolher os dirigentes.

Nesse processo, repito, é importante levar em consideração que o colégio eleitoral precisa ser pequeno – se for grande, o dinheiro, os bens e o poder material, a máquina eleitoral, a comunicação de massa e seus vendilhões sempre falarão mais alto.

O colégio eleitoral precisa não ferir a justiça da igualdade de oportunidades, e precisa estar adaptado ao nível de consciência das pessoas, isto é, os problemas e as questões a serem examinadas e decididas precisam não extrapolar a abrangência do nível de compreensão ou do alcance das consciências daquele colégio eleitoral. E isso não pode ser alcançado fora de colégios eleitorais pequenos e gradualmente escalonados, onde essa adequação possa ser mantida, junto com a liberdade e a igualdade de oportunidades. Fora disso, ou seja, sem justiça, podemos esquecer a harmonia social.

Se me permite, vou repetir, por ser tão importante, esse ponto de que, na prática, cada um dos colégios de representantes escolherá os representantes do nível superior – toda a vida política se iniciando, naturalmente, no nível mais básico, no nível do que podemos chamar de micro-distritos eleitorais.

Todo o escalonamento inicia com um micro-distrito, como, por exemplo, um conjunto de quadras de uma cidade, onde os indivíduos possam se conhecer pessoalmente sem máquinas eleitorais e perversões desse tipo. A partir daí segue-se para o nível de uma pequena municipalidade, daí segue-se para o nível que não existe em nosso país, mas é importantíssimo para a administração pública, que é o nível microrregional. Ou seja, a base, os níveis da base da pirâmide do escalonamento sócio-político são os micro-distritos, as pequenas municipalidades e as microrregiões.

Nos países economicamente mais avançados há esse nível político-administrativo após a municipalidade, que é chamado, no caso dos EUA, de condado. Um nível político-administrativo intermediário entre o município e os estados. Na França, apenas para citar outro exemplo, entre o município e o país há os départements – e o tamanho da França não é muito diferente do tamanho do nosso estado de São Paulo, por exemplo.

Todo esse processo vai qualificando naturalmente os representantes e cria um sistema que é lógico, justo, que não fere mortalmente a igualdade de oportunidades, e que segue o escalonamento que é inerente às diferenças das idades das Almas humanas. Como já dissemos, é condição sine qua non para a justiça que haja igualdade de oportunidades na escolha dos representantes – igualdade de oportunidades nas disputas eleitorais.

Há outro aspecto complementar importantíssimo – que muitos não compreendem claramente – que é a consideração desse sistema em relação ao poder das grandes corporações que hoje dominam o mundo, ao dominarem os principais países do mundo.

Esse poder das grandes corporações é simplesmente avassalador na atualidade. Se examinarmos, por exemplo, os Produtos Internos Brutos, os PIBs dos 100 maiores países e compararmos com o Produto gerado pelas maiores corporações econômicas, veremos que há no mundo muitas corporações com Produtos maiores do que muitos desses países, que figurariam nessa lista dos 100 maiores. Isso, é claro, significa um enorme poder de influência, sobretudo em um sistema tão injusto e que privilegia o dinheiro e as máquinas eleitorais.

Nesse sistema, das ditas “democracias” liberais da atualidade, as grandes corporações possuem um poder descomunal e o Estado se torna uma organização à mercê dessas grandes corporações. Os estados, as organizações estatais, em nossos dias, não têm como equilibrar e regular o poder dessas corporações que defendem interesses privatistas, e não públicos, não o bem estar de todos.

O sistema proposto pelo Humanitarismo tem a propriedade de organizar a população inteira de um modo que, por exemplo, dificilmente possa ser reprimido. Da forma que o sistema está hoje, se as corporações militares apoiadas pelas grandes organizações econômicas privadas quiserem intervir com golpes de estado, não há defesa contra isso, como se tem visto em tantos exemplos.

A população está mal organizada, fragmentada, frouxa, pois a distância dos colégios eleitorais é imensa. Há um enorme abismo entre o povo e os representantes nacionais, sem falar na qualidade dos dirigentes. Ou seja, além de escolher muito mal os representantes, que é sua maior falha e fraqueza, esse sistema, ao deixar a população tão distante dos seus representantes, gera uma debilidade diante, sobretudo, das grandes corporações.

No sistema aqui proposto não há esse vazio, esse vácuo. As assembléias são pequenas, podem se reunir praticamente em uma sala; os representantes e os representados estão sempre próximos e, assim, cria-se uma coesão social, uma força sócio-política que é capaz de fazer frente, de equilibrar e regular o poder das grandes corporações.

Novamente, é tão simples e lógico. Pelo menos deveríamos compreender que se esse sistema proposto pelo Humanitarismo não for capaz de selecionar lideranças competentes, e de gerar o vigor, a força política suficiente para regular o poder das grandes corporações, muito menos o será o atual sistema, injusto, incompetente e débil.

VIVIANE: Do modo como você desenha o panorama, vemos que a política reinante é a do poder econômico. Você acredita que no sistema atual é difícil para o povo se defender, para os governantes se defenderem. Não teria como, de algum modo, adaptar essa situação?

ARNALDO: Do modo como os países estão hoje organizados o mundo não tem nenhuma possibilidade de evitar as grandes catástrofes, de superar a imoralidade e a violência na qual vivemos. Os grandes problemas mundiais não têm soluções consistentes e os governantes são bedéis das grandes corporações. O mundo hoje é, já disse, como um Titanic, orgulhoso de seus inegáveis avanços científicos e técnicos, porém seguindo firme em direção ao iceberg das catástrofes, e não temos sequer os instrumentos organizacionais para evitar isso. É a situação do mundo hoje.

Nesse sistema proposto, que é a derivação lógica de todos esses princípios filosófico-religiosos, encontra-se o esboço de um instrumento social, de instituições sociais capazes de gerar soluções consistentes para os grandes problemas.

Não sei se conseguiremos impedir o desfecho das grandes catástrofes, porque muitas vezes o ser humano precisa ir ao fundo do poço para então buscar sua regeneração. O fato, contudo, é que hoje não existe uma solução consistente para os grandes problemas, e a tendência clara é que esses aumentem, até chegarmos às situações catastróficas.

Assim, precisamos melhorar, resgatar a verdadeira base filosófico-religiosa, porque essa base religiosa que hoje predomina está grandemente corrompida pela idolatria e pelo materialismo dos sacerdotalismos, quer religiosos propriamente, quer ditos científicos.

O estado atual das religiões não permite o advento de instituições justas e das consequentes soluções consistentes; são idólatras e materializaram os símbolos sagrados. Pegam uma frase como aquela de Jesus “Eu sou o caminho, a verdade e a vida” (João, 14:6) e personalizam, dizendo que aquele ser que viveu na Palestina é o único caminho, a única verdade e a única verdadeira vida. Não compreendem que esses ensinamentos referem-se a questões muito maiores. Não compreendem, como disse São Paulo, que “a letra mata” (Coríntios, 3:6) – mata primeiro espiritualmente, depois fisicamente, porque gera instituições que levam à morte como as que dominam e formatam o mundo de nossos dias. Estamos, em resumo, caminhando para grandes crises, devido a estarmos semeando dor, violência e destruição. E sem chances, dentro do quadro atual, de evitarmos essas consequências.

O mundo é dominado, hoje, pelas grandes corporações e elas lutam entre si pelos ganhos privatistas. Quando a situação fica difícil, elas então se aliam: é a lei do lucro, do mais forte, é a lei da selva. E quem hoje pode contra isso? Ninguém. Essas organizações são o que há de mais forte no planeta. Por isso é fundamental que criemos as condições para o nascimento de instituições decentes, justas, dignas e competentes, que possam disciplinar os macro-agentes que hoje dominam de forma privatista. Instituições que reflitam e que defendam os valores do bem-estar da humanidade coletivamente considerada, ou seja, instituições humanitaristas, pois essa palavra – humanitarismo – quer dizer isso, preocupação com o bem estar de todos, mesmo no dicionário.

VIVIANE: Você fala em igualdade de oportunidades e da necessidade de levar em conta o nível de maturidade das Almas. Como é feita essa diferenciação?

ARNALDO: A incapacidade do mundo atual de fazer isso, que não é coisa tão complicada afinal, repousa nas falhas de interpretação, nas equivocadas interpretações de seus símbolos e alegorias religiosas e filosóficas. A matriz, a base de nossos principais problemas está justamente nessa carência de corretas interpretações desses principais símbolos e alegorias.

Essa dificuldade existe porque não vemos a humanidade como ela realmente é. Não percebemos a família humana com seus diferentes níveis de maturidade das Almas, como na alegoria do sonho da escada de Jacó. Não percebemos, em resumo, nem a diversidade de capacidades, nem a Unidade Divina subjacente. E sem isso não há soluções consistentes possíveis. É tão simples, mas talvez para ver com clareza essa simplicidade seja necessária certa profundidade, certa elevação na visão. Aí, não havendo essa elevação, havendo, como hoje, o domínio dos sacerdotalismos idólatras ou materialistas, parece que poucos alcançam compreender a importância decisiva desses aspectos simples e fundamentais, como os que transparecem do sonho de Jacó, ou seja: “a Unidade na Diversidade”.

“Partiu, pois, Jacó de Beer-Seba e se foi em direção a Harã; e chegou a um lugar onde passou a noite, porque o sol já se havia posto; e, tomando uma das pedras do lugar e pondo-a debaixo da cabeça, deitou-se ali para dormir.

Então sonhou: estava posta sobre a terra uma escada, cujo topo chegava ao céu; e eis que os anjos de Deus subiam e desciam por ela; por cima dela estava o Senhor”. (Gênesis, 28:10-13)

Outro exemplo, entre outros tantos, dessa simplicidade fundamental decisiva, está naquela parábola, já citada aqui, do senhor que ia viajar, chamou seus servos e deu a cada um talentos (dinheiro, recursos, poder etc.), a cada um, diz a parábola, segundo suas capacidades. (Mateus, 25:14-29) Quando voltou, cobrou de cada um segundo suas conquistas da Alma, segundo suas capacidades.

Não vemos com clareza, nos símbolos das religiões, essa diferenciação, essas diferenças, com a necessária Unidade subjacente. O sacerdotalismo, quer religioso, quer científico, tem sido vitorioso, até aqui, na sua luta contra os profetas, como o foram, na época, contra o Cristo Jesus. Tem sido vitorioso até aqui, embora, parece, seus dias trevosos estejam caminhando para um final. Até hoje, contudo, tem sido dominante na sua deturpação literal e idólatra dos símbolos sagrados, e em seus sermões vão dando os mesmos falsos conselhos a todos, como nos igualitarismos dominantes.

Na mitologia grega temos a história de Procrustes, mencionado em citação, que ilustra esse mesmo aspecto. Ele recebia peregrinos em sua hospedaria e depois de lhes alimentar, convidava para dormir em sua cama, onde só podiam deitar os que fossem exatamente do mesmo comprimento. Os menores do que a cama de Procrustes eram esticados pelas pernas e braços; os maiores tinham as extremidades cortadas para ficar do mesmo tamanho. Essa é uma representação muito boa das idéias dominantes em nosso atual momento de civilização. Vemos esse comportamento reproduzido nas religiões, na ciência, na política e na educação, que exigem das pessoas a mesma capacidade. É tão cruel quanto real.

A conscientização dessa diferenciação começa com a interpretação correta dos símbolos filosófico-religiosos. Pois a verdadeira religião é a ligação com o Elevado, com o Centro, com o Buda e o Cristo em nós, ou, se quisermos, é a ligação com o Alto e o Profundo, que é o mesmo que Deus.

A base do ensinamento budista, pelo menos dentro do Cristianismo Budista – uma vez que deveria tratar com clareza do Carma e da Reencarnação, que são as duas colunas que nos explicam os diferentes níveis de maturidade das Almas – deveria cumprir essa finalidade fundamental, quanto à interpretação dos símbolos sagrados nessa tradição, que é ao mesmo tempo cristã e budista. Essa que, como vimos, precisa restaurar a sua forma degenerada, a qual está na base da civilização ocidental, que hoje domina o mundo, para o bem e para o mal.

VIVIANE: O Carma e a Reencarnação são a resposta para essa incógnita, da diferenciação dos níveis das Almas?

ARNALDO: Exato. Essa é a base do Cristianismo verdadeiro, o Cristianismo que está unido numa mesma corrente ao Budismo. Que pode, assim, interpretar corretamente o Sermão da Montanha, as alegorias do Gênesis, dos Profetas, do Novo Testamento, das Cartas e do Apocalipse. É preciso a base do Budismo para entender a linguagem dos profetas, do Gênesis ao Apocalipse. Sem a base filosófica do Budismo, não é possível entender satisfatoriamente as Escrituras cristãs. E sem esse complemento do Cristianismo essa tradição fica incompleta. Fica carente, sobretudo, dos ensinamentos acerca dos Mistérios e das Iniciações, que são como pontes que unem, de forma razoável e lógica, as etapas finais da evolução das Almas, até a fusão consciente com a Realidade Divina, ou, com o Reino de Deus. Por essas razões, iniciamos essa obra com a citação dos profetas que foram a Dra. Kingsford e Maitland, citação que nos diz, na sua simplicidade, que: “Da união espiritual na fé una do Buda e do Cristo nascerá a esperada redenção do mundo”. (The Perfect Way, p. 252)

VIVIANE: Sem essa complementação tudo fica muito literal.

ARNALDO: E se fica literal, como ensina São Paulo, “a letra mata”.

VIVIANE: Você acha que a globalização facilita para as pessoas entenderem essa ligação cristã budista? Tempos atrás parece que era mais difícil.

ARNALDO: Como instrumento, como ferramenta, a globalização deve facilitar. As coisas não são por acaso – tudo tem seu momento. Mas eu não estou falando, como os materialistas, que por causa da globalização o entendimento possa acontecer. A globalização está gerando meios, instrumentos, ferramentas, por assim dizer. E como toda ferramenta, tanto pode ajudar quanto pode atrapalhar. Quanto mais poderosa é a ferramenta, mais perigosa ela é. E como a globalização é um processo que está gerando ferramentas muito poderosas – tanto pode ajudar muito, quanto prejudicar muito. Não é o que podemos observar em nossos dias?
[Arnaldo Sisson Filho; with Viviane Pereira. Second part of the 6th chapter of the work: A Roda e a Cruz: Uma Introdução ao Cristianismo Budista (The Wheel and the Cross: An Introduction to Buddhist Christianity), pp. 217-239]