1 – Life of Saint Columban (in English)
2 – São Columbano: esboço biográfico (in Portuguese)


1 – Life of Saint Columban

Columbanus is born in the southeast of the country, on the border of Carlow and Wexford in 543. Prior to his birth, his mother dreams of a brilliant sun, which arises from her breast and illuminates the whole world. As a premonition, it doesn’t fall too wide of the mark.

As a youth, Columbanus’ good looks win him unwanted attention from the opposite gender. He takes the advice of a holy woman, who tells him to steer clear of such entanglements. Columbanus sets his sights on a life of self-sacrifice.

Columbanus’ mother is distraught at the thought of his leaving, and pleads with her son to stay. All to no avail, however, as Columbanus steps across her prostrate body, and tells her not to grieve.
He studies under Sinell in Cleenish, and while there, forms his decision to become a monk. Columbanus leaves for Bangor, the monastery with the most ascetic ethos in the country.

The austerity of Abbot Comgall’s regime suits Columbanus’ temperament. He thrives there, one of the few to be raised to the priesthood from among the brethren. He becomes an important figure in Bangor, a valued member of staff. As a result, when Columbanus first approaches

Comgall with a view to going abroad, he isn’t met with enthusiasm. In the end however, persistence pays off, and Comgall agrees to the departure of his star protégé.
Columbanus sails out from Bangor in 590 with twelve of his brethren, travelling via Cornwall to St Malo in France. They take the Roman road east to Rheims, the capital of the kingdom of the Franks.
At this time in history, this part of Europe has experienced war between rival kingdoms. Coupled with the negligence of local bishops, this has led to a breakdown in the practice of religion. Be that as it may, Columbanus and his brethren are well received by King Gunthran of Burgundy and Austrasia, who begs the Irish party to remain in his kingdom.

Columbanus agrees to stay, but insists on a remote location. He finds a suitable site in the mountainous region of the Vosges, in an old Roman settlement called Annegray. There, the monks attempt to survive on a diet of herbs, roots and the bark of trees. Fortunately, help is at hand in the form of Saulcy monastery, a day’s journey away. Abbot Carantoc instructs his cellarer, Marculf, to bring supplies to the new arrivals in the region.

Marculf brings back stories about the new community and their ascetic lifestyle. As a result, people start to flock in pilgrimage to those who have left the world behind in Annegray. Columbanus regularly retreats from his community and pilgrims to a cave four hundred feet above the monastery in the valley of the Breuchin.

Annegray attracts vocations in such number that it is necessary to open a second monastery. Columbanus travels eight miles west to Luxeuil, and with the permission of the young King Childebert II, begins his second foundation. It is destined for fame and success, and to outgrow Annegray. Indeed, it grows at such a rate, that a third monastery is opened at Fontaine, three miles north of Luxeuil. Luxeuil is the motherhouse of the three monasteries.

The Rule, which Columbanus devises for his three monasteries, is based on the asceticism he learned at Bangor. Obedience is the cornerstone of the system, and there is great emphasis laid on the confession of faults.

In spite of the success of the monasteries, Columbanus is not a favourite with the local Church hierarchy. His strict adherence to monastic discipline makes those who have committed simony and adultery feel uncomfortable. As well as that, his unauthorised foundations and independence of action ignore the bishops’ prerogative.

Following the death of King Childebert II in 595, the political situation changes. Theuderich, the new king of Burgundy, has four children by his concubines. When his mother, Brunhilde, parades them before Columbanus on one of his visits to the royal household, the Irishman refuses to bless them, saying: “These will never hold the royal sceptre because they were begotten in sin.” It is the beginning of a downturn in relations.

Theuderich demands access to all areas of Luxeuil monastery, something Columbanus refuses outright. Theuderich decrees that monks who cut themselves off from the world must leave Burgundy and return to their country of origin. Thus Columbanus must make his way across France to Nantes, a journey of six hundred miles.

 

In spite of his age – he is nearing 70 – Columbanus completes the journey, and is all set to leave France. However, fate intervenes in the shape of a storm, which blows up at the mouth of the Loire, driving Columbanus’ ship aground. The captain of the vessel interprets the storm as a sign from God that the monks were meant to remain here.
With the relationship with King Theuderich irreparable, Columbanus heads north to Soissons, to the court of King Clothair II of Neustrasia. Following a hospitable reception, he journeys on to Metz, to the court of King Theudebert of Austrasia. Also there to meet Columbanus are members of the Luxeuil community, who had learned of his journey. Theudebert invites the monks to settle in his kingdom and preach to the pagan tribes on the eastern border.

Travelling over water, through the Moselle and the Rhine and its tributaries, Columbanus and his brethren come to Bregenz on the southern shore of Lake Constance. Their monastery here lasts from the latter part of 610 to the beginning of 612. Once again, politics plays a key part in Columbanus’ fate.

St. Columbanus in Austria

In the spring of 612, war breaks out between Austrasia and Burgundy, with Columbanus’ supporter, King Theudebert, being comprehensively beaten by King Theuderich. With Austrasia now added to the kingdom of Burgundy, Columbanus finds himself in a vulnerable position. Over the past eighteen months, he and his monks have undertaken an uncompromising brand of mission, smashing pagan idols and disrupting pagan ceremonies. Now, with monks being murdered in the woods, the writing is on the wall for Columbanus. It’s time to move.

Columbanus decides to head for Italy, a suggestion that fails to meet with the favour of his mostly Germanic brethren. Even Gall is reluctant to follow his fellow expatriate into this next remove. Forbidding Gall to say Mass while he himself is still alive, Columanus travels towards the Alps with a reduced party of monks.

Thus he comes to the court of King Agiluf and Queen Theudelina in Lombardy, an area of Italy settled by German tribes in Columbanus’ own lifetime.

He spends much of 613 in Milan, displaying all his customary drive as he throws himself into the Arian controversy surrounding the divinity of Christ. The Christians of Lombardy, including the king and queen, are all Arians, and not loyal to the doctrine of Rome.

Fortunately, this doctrinal difference doesn’t sour relations between monk and king, and Columbanus is offered a site seventy miles south, where the Bobbio stream flows into the Trebbia on its way to the Po. Columbanus gladly accepts, and before the winter of 614 sets in, a new Irish monastery called Bobbio takes shape in the foothills of the Apennines.

It is to be the last of Columbanus’ foundations and his final resting place. In his last days on earth, his thoughts turn to Gall, the last of the gang from Bangor. Nearing death, Columbanus orders that his staff be sent to Gall as a token of forgiveness. In the early hours of Sunday 23 November, 615, Columbanus breathes his last. Gall duly receives the staff, treasuring it till his own death in 630 on the shore of Lake Constance.


Columban Today – Places of His Ministery

[NOTE: The following text is still in Portuguese language. Parhaps we could already add to the places of Saint Columban today ministery the Farm “Saint Columban Wheel and Cross”.]

A maior parte da herança de Columbano está na Europa continental. Apesar de que ele seja lembrado espiritualmente por organizações tais como St. Columban’s Foreign Missionary Society e Columbanus Community of Reconciliation, nada resta fisicamente na Irlanda da comunidade ascética a qual ele pertenceu em Bangor.

França

Tendo a maior parte de sua vida e de suas obras na Europa continental, é apropriado que seu nome e sua lembrança tenham criado fortes raízes em localidades da França e da Itália. Até mesmo no lugar onde ele desembarcou no continente, na baía de Saint Malo na Bretanha, há uma cruz de granito tendo seu nome; uma cruz que em tempos passados as pessoas vinham orar pelas chuvas, durante os períodos de secas. Uma vila não longe dali o homenageia com seu nome: Saint Coulomb.

Graças aos esforços da Association Internationale des Amis de St. Columban, as ruínas da primeira casa monástica de Columbano, em Annegray, estão agora legalmente protegidas, tendo sido adquiridas pela organização em 1959. Também são de sua propriedade o local contendo a caverna, que servia como cela monástica de Columbano, e a fonte sagrada, que ele criou nas proximidades desse local.

Em Luxeuil-les-Bains, o local do maior mosteiro na França, a Basílica de São Pedro e São Paulo se situa no no local da primeira igreja de Columbano. Ali ele está imortalizado em imagens e em estátuas. Vitrais coloridos em um dos pórticos, que datam do século XIX, mostram cenas da vida de Columbano, enquanto que uma estátua próxima da entrada (inaugurada em 1947) o mostra denunciando a vida imoral do rei Theuderich.

Essa era anteriormente uma igreja pertencendo a um mosteiro, e contém velhas construções monásticas, que têm sido usadas como um pequeno seminário desde o século XIX. Esse é dedicado a Columbano e guarda em seu pátio uma estátua de bronze de Columbano, que o mostra avançando em direção ao desconhecido.

Itália

Bobbio está situada em uma parte larga do vale do rio Trebbia, e abriga a tumba de Columbano, na Basílica de São Columbano. A tumba está em uma cripta sob a basílica, em um sarcófago de mármore branco, com cenas de sua vida esculpidas em três lados. Além disso, há um altar moderno, e do outro lado um vitral na janela que data de 1910, mostrando os santos Columbano, Patrício e Bento. Além da basílica, as duas grutas, para as quais Columbano costumava se retirar para fazer suas orações silenciosas, estão indicadas por placas, em local nas regiões montanhosas próximas.

O culto de Columbano está principalmente confinado ao norte da Itália, onde quarenta paróquias são a ele dedicadas, bem como capelas e altares em outras instituições. Ele deixou uma marca indelével nas partes do mundo tocadas por seu espírito.

Áustria

Em 1985, quando por ocasião da celebração do 2.000º aniversário de Bregenz, cidade situada no canto sudeste do Lago Constance, na Áustria, a igreja de São Columbano foi escolhida para abrigar as cerimônias religiosas relativas à comemoração. No dia da festa de São Columbano naquele ano, uma grande rocha foi trazida de Bangor, especialmente para a ocasião, contendo a seguinte inscrição, em alemão:

“Uma rocha da costa marítima de Bangor, Irlanda. De lá veio o pregador irlandês, São Columbano, como um missionário para as ruínas do assentamento romano de Brigantium, onde ele pregou a fé cristã, com a força de Deus, para nossos antepassados, cerca de 610 a 612, antes de encaminhar-se para Bobbio na Itália.”

A constituição de Bregenz e Bangor como cidades gêmeas marcou ainda as celebrações do segundo milênio.

Bangor

Quando pensamos no mosteiro em Bangor, na Irlanda, São Columbano é o primeiro nome que surge em nossa mente. O fundador, contudo, foi um homem chamado Comgall (São Comgall), que por sua vez foi discípulo de Fintan de Clonenagh, no condado Co Laois. São Fintan foi o pai da mais austera tradição no monacato irlandês, e seus ideais passaram sem comprometimentos para a Regra de Bangor.

Como poderia ser visto na época de Comgall e Columbano, Bangor não era mais do que um grupamento de casinhas de madeira, construídas ao redor de uma pequena igreja, cercadas por uma estrutura defensiva. Na Irlanda daquela época, o mosteiro significa a comunidade de pessoas, mais do que os prédios.
[Original text and ilustrations:
http://www.monasticireland.com/storiesofsaints/columbanus.htm#columbanustoday] 


2 – São Columbano: esboço biográfico

Nasceu em West Leinster, Irlanda, em 543, de família rica, tornou-se um jovem forte, bonitão e bem educado. Columbanus ficou dividido entre o desejo de servir a Deus e a vida fácil dos prazeres mundanos. Seguindo o conselho de um parente ele decidiu se afastar do mundo para refletir e sua família se opôs ferozmente a ponto de sua mãe mandar bloquear a porta de saída. Depois de refletir bem ele entrou para o Mosteiro de Lough Erne, estudou as escrituras extensivamente e escreveu comentários sobre os Salmos. Foi monge em Bangor sob a orientação de São Congall.

Mais tarde sentiu ser chamado para a vida missionária. Com São Congall e 11 companheiros eles atravessaram a Escócia, Inglaterra e França em 585 pregando o Evangelho. A área embora nominalmente cristã, estava longe da fé e eles se empenharam e obtiveram grande sucesso. Eles foram bem recebidos na corte de Gontram e o Rei de Burgundy os convidou para ficar e pregar na região. Eles escolheram uma fortaleza romana em ruínas em Annegray nas Montanhas Vosges para erigir a sua casa e Columbanus foi eleito seu Abade.

A vida simples e a santidade de seus discípulos fez com que vários outros discípulos se juntassem a eles e Columbanus por várias vezes curava os doentes apenas com sua oração e benção. Columbanus, para encontrar solidão para suas preces, às vezes, ficava em uma caverna a seis milhas do monastério por dias, usando um mensageiro para ficar em comunicação com seus irmãos.

Certa vez ordenou a um urso que saísse de sua caverna e o urso obedeceu.

De outra feita queria água e pediu e a mesma jorrou de uma fonte logo na entrada de sua caverna.

Quando o número de monges lotou a fortaleza de Columbanus, o Rei Gontram deu a eles um velho castelo em Luxeuil (no Oeste da França) para fundar outra casa em 590. Logo depois uma terceira casa foi fundada em Fontaines. Columbanus serviu de mestre em todas elas e escreveu as Regras da Ordem que incorporava várias praticas célticas e foi aprovado no Concílio de Mocon em 627.

Certa vez, no monastério de Luxeuil, o celeiro de grãos estava vazio e ele o encheu apenas com sua oração. Do outra vez quando um doador foi doar alimentos para a comunidade, ele curou a esposa do doador de uma doença, a distância.

No inicio do sétimo século surgiram varias problemas. Muitos bispos eram o contra a influência dos monges estrangeiros e as práticas célticas que ele trouxe, especialmente o rito relacionado com a Páscoa. Em 602 ele foi chamado para julgamento e em vez de aparecer enviou uma carta aconselhando-os a convocar um Sínodo e a se preocuparem com coisas mais importantes que o rito usado para celebrar a Páscoa.

A disputa sobre a Páscoa continuou por anos com Columbanus apelando para vários papas e só foi resolvido quando Columbanus abandonou o calendário céltico e mudou-se para a Itália.

Em adição aos problemas com os bispos Columbanus pregava contra os vícios e a corrupção na corte e enfrentou uma série de brigas com os poderos. Brunheaul juntou os bispos e a nobreza contra o Abade. Thierry ordenou que ele se conformasse com as práticas locais e se calasse. Columbanus recusou-se e foi preso em Besaçon mas ele escapou e voltou a Luxeuil. Thierry e Brunheaul enviaram uma força armada para forçá-lo e aos seus monges de volta à Irlanda. Tão logo o barco desatracou uma enorme tormenta jogou o barco de volta terra, e o capitão temeroso soltou os monges em terra. Esse teria sido mais um dos milagres de São Columbanus. Eles viajaram para Metz e depois para Mainz, Suevi, Alamanni e finalmente chegaram no Lago Zurich. Seus trabalhos de evangelização eram um sucesso. Quando o grupo passou em Arbon, depois em Bregenz e Lago Constance, São Gall, que conhecia a linguagem local, liderou no caminho pela região, e muitos se converteram para a fé, e o grupo fundou um novo monastério como nova casa e base.

Anos mais tarde Columbanus atravessou os Alpes para a Itália, chegando em Milão em 612. A família real o tratou bem. Ele pregava com grande sabedoria. Em gratidão o Rei Lombard deu a ele um pedaço de terra em Bobbio, entre Milão e Gênova. Ele reconstruiu uma velha igreja e em volta dela fundou seu novo monastério que foi a fonte para a evangelização de todo o norte da Itália.

Columbanus gostava de ficar em florestas e cavernas e caminhava com pássaros e esquilos nos seus ombros. No final de sua vida ficou sabendo que seus velhos inimigos tinham morrido, e que os monges na Suíça o queriam de volta. Mas ele se recusou. Sabendo que o seu tempo estava chegando ao fim ele se retirou para uma caverna e lá morreu como havia previsto.

A sua influência continuou por séculos e ele converteu centenas para a fé e evangelizou um sem numero de pessoas, e seus monges fundaram mais de uma centena de monastérios pela Europa, para espalhar a fé cristã.

Em Orleans ele curou um cego, e outra vez durante a colheita ele curou vários monges doentes e ordenou que saíssem da cama e fossem trabalhar na colheita do mosteiro.

De outra vez, na época de plantio, ele ordenou a um urso que puxasse o arado e o mesmo obedeceu.

Faleceu em 21 de novembro de 615, em sua caverna em Bobbio, no norte da Itália, de causas naturais.

Sepultado na igreja da Abadia, logo depois vários milagres foram creditados a sua intercessão e ele foi re-enterrado na Abadia da Igreja de Bobbio em um novo altar em 1482, e um novo santuário foi construído para abrigar suas relíquias no inicio do século 20.

É o padroeiro do motociclistas.

É mostrado na arte litúrgica da Igreja como um monge beneditino com um urso ao seu lado ou; 2) como um monge com raio de sol em sua cabeça ou; 3) como um monge beneditino segurando um báculo de Abade ou; 4) em uma caverna com um urso e uma fonte de água.

Sua festa é celebrada no dia 23 de novembro.