Dr. Taimni Sobre a Tarefa de Renunciar aos Desejos Inferiores

“Aqui está um ideal positivo e uma perspectiva de vida que não desencorajará o candidato, mas, pelo contrário, infundirá em sua vida o maior entusiasmo e inspiração, desde que esteja pronto e realmente sério. Não há nada que toque tão eficazmente a corda mais íntima do nosso ser e produza uma resposta simpática e vibrante como a perspectiva de retornar ao nosso verdadeiro Lar.

Toda a nossa natureza interior responde e ressoa da maneira mais notável quando algo é capaz de tocar esse fio misterioso dentro de nós e nos fazer ouvir esse chamado do Infinito, mesmo que seja apenas por um flash momentâneo. E, portanto, a perspectiva de desenvolver nosso desejo ao Deus dentro de nós em substituição da satisfação de desejos inferiores não permite que nenhum vácuo seja criado e não nos faz sentir que nossa vida se tornou vazia e sem sentido.

Todo mundo cuja mente não foi artificialmente condicionada pela filosofia materialista ou que não está completamente absorto em atividades materialistas pode ver e sentir intuitivamente que o que devemos ganhar desenvolvendo nosso apego e amor por Deus é muito mais valioso do que aquilo que temos a perder como resultado de renunciar aos desejos inferiores. Podemos não ser capazes de realizar essa mudança, mas podemos ver a necessidade de fazê-lo, pelo menos teoricamente.

Será possível compreender este ponto mais facilmente se o ilustrarmos com um exemplo específico. Tomemos a questão do amor pessoal para com aqueles que nos são próximos e queridos e aos quais estamos indubitavelmente apegados.

Se você disser a uma pessoa para matar todos esses amores porque eles são pessoais e baseados no apego e levam à escravidão, ela ficará confusa e quase em desespero porque a perspectiva de uma vida sem amor, mesmo que esse amor seja pessoal, é muito triste e quase impossível de contemplar. Então, ou ele ignora seu conselho, ou faz tentativas desanimadas nessa direção.

Por que não colocar diante dele um objetivo positivo pelo qual trabalhar? Peça-lhe que direcione todos os seus esforços para a tarefa necessária, mas inspiradora, de desenvolver a devoção a Deus. Quando ele conseguir desenvolver esse amor maior, todos os amores menores se fundirão nele naturalmente e tomarão o lugar que lhes pertence por direito.

Esta é uma perspectiva que não precisa desesperançar e desencorajar qualquer aspirante verdadeiro, mas pode, por outro lado, atrair o máximo esforço desde os mais profundos recessos de sua natureza.

Esse método de enfrentar o problema do amor pessoal não envolve nenhuma destruição dos amores pessoais, mas sim a sua absorção natural no amor maior, quando ele se manifesta. Quando o Sol do amor divino nasce no coração do devoto, as luzes menores automaticamente e naturalmente são absorvidas na luz desse Sol.

Por outro lado, se apagarmos essas luzes antes que o Sol apareça, não fazemos nada além de mergulhar na escuridão de uma vida sem amor. De fato, quando o amor divino aparece em nosso coração, amamos a todos com muito mais ternura e verdade do que em nossas relações puramente pessoais. (…)

Voltando ao problema do desejo, temos que notar que a eliminação dos desejos inferiores não significa que nosso trabalho em relação à nossa natureza de desejo esteja terminado. Pois o desejo é co-extensivo com a mente e onde quer que haja mente, pode haver desejo correspondente a esse nível da mente.

À medida que a mente se torna cada vez mais sutil devido à penetração nos níveis mais profundos da consciência, os desejos a serem enfrentados nesses níveis mais profundos tornam-se mais sutis. Mesmo o estado exaltado de consciência no plano Átmico não está livre da influência dos desejos, embora seja difícil para nós compreender a natureza desses desejos.” (pp. 316-317; grifo nosso.) [I.K. Tamini. Glimpses Into the Psychology of Yoga. The Theosophical Publishing House, Adyar, Índia, 1973. 409 pp.]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *