Os Princípios Fundamentais do Humanitarismo

“Como uma doutrina ou como uma filosofia sociopolítica o Humanitarismo está fundamentado em apenas cinco grandes e simples princípios, cuja importância para o bem estar da humanidade é difícil de exagerar, que são:

1 – Todos os seres humanos constituem uma FRATERNIDADE;

2 – Todos os seres humanos possuem uma mesma origem e uma mesma natureza essencial e, portanto, IGUAL VALOR;

3 – Não obstante a sua unidade e igualdade essenciais, os seres humanos apresentam CAPACIDADES DIFERENCIADAS;

4 – O princípio ético que deve presidir a justiça e a harmonia possível na humanidade é a IGUALDADE DE OPORTUNIDADES, para viabilizar o pleno desenvolvimento das capacidades individuais diferenciadas;

5 – O princípio ético da RESPONSABILIDADE DAS ELITES, do qual também depende o advento das novas instituições sociais.

A Fraternidade da Humanidade: o Objetivo Único

O princípio ou lei da Fraternidade Universal da Humanidade engloba, na verdade, os outros quatro princípios acima apresentados. Esses princípios adicionais são importantes porque especificam os aspectos fundamentais do grande princípio ou lei da Fraternidade Universal da Humanidade. Portanto, na realidade, o objetivo único do HUMANITARISMO como movimento social, é a difusão e a aplicação prática do princípio ou lei da Fraternidade de todos os seres humanos, contanto que esse seja entendido apropriadamente.” [Arnaldo Sisson Filho. O Que Há de Errado com a Política? (Fundamentos para uma Verdadeira Democracia).]


Grandes Ideias do Século XIX Negam a Hierarquia de Níveis no Universo

“Apesar de as ideias do século XIX negarem ou eliminarem a hierarquia de níveis no universo, a noção de uma ordem hierárquica é instrumento indispensável à compreensão. Sem o reconhecimento de ‘Níveis de Ser’ ou ‘Graus de Significação’ não podemos tornar o mundo inteligível. Talvez a tarefa do homem — ou simplesmente, se se preferir, a felicidade do homem — seja alcançar um grau superior de realização de suas potencialidades, um nível de ser ou ‘grau de significação’ mais elevado do que lhe advém ‘naturalmente’: não podemos sequer estudar essa possibilidade sem o reconhecimento prévio de uma estrutura hierárquica. Na medida em que interpretarmos o mundo através das grandes e vitais ideias do século XIX, permaneceremos cegos a essas diferenças de nível, por termos sido cegados.” (Ernst F. Schumacher. O Negócio é Ser Pequeno, p. 82)


Afirmação Inequívoca da Influência das Elites

“(…) essa nossa geração parece exibir apenas uma compreensão espiritual muito rudimentar, enquanto que aparentemente desenvolvida em intelecto na máxima extensão possível. Essa é, de fato, uma época dura e materialista: um fragmento de quartzo brilhante é o seu símbolo apropriado. E contudo, de que “época” e “geração” estamos falando? Não daquela das massas, pois elas mudam apenas pouco de geração para geração: não, falamos sim da classe educada, os líderes de pensamento, os controladores e estimuladores das opiniões daquele grande grupo social intermediário, que se situa entre os altamente cultos e os brutamente ignorantes. Eles são os céticos de hoje, que são tão incapazes de se elevar à sublimidade das filosofias vedantina e budista quanto uma tartaruga de voar alto como uma águia.” [Helena Blavatsky. Collected Writings (Obras Completas), Vol. III, p. 104]


Mundo em Má Condição Devido Religiões e Filosofias Distantes da Verdade

“Para serem verdadeiras, a religião e a filosofia devem oferecer a solução de todos os problemas. Que o mundo esteja em tal má condição moralmente é uma evidência conclusiva de que nenhuma de suas religiões e filosofias jamais possuíram a verdade (…).

As explicações corretas e lógicas sobre a questão dos problemas dos grandes princípios duais — o certo e o errado, o bem e o mal, a liberdade e o despotismo, a dor e o prazer, o egoísmo e o altruísmo — são tão impossíveis para elas hoje quanto o eram 1881 anos atrás. Elas estão tão longe da solução como sempre estiveram; mas para esses deve haver em algum lugar uma solução consistente, e se nossas doutrinas provarem sua competência em oferecê-la, então o mundo será rápido em confessar que essa deve ser a verdadeira filosofia, a verdadeira religião, a verdadeira luz, que dá a verdade e nada mais do que a verdade.” [Mahachohan, carta com Suas visões. Letters from the Masters of the Wisdom (Cartas dos Mestres de Sabedoria), 1st Series, n. 1, p. 9]


Os Sistemas Políticos Atuais Provaram-se um Fracasso: Deve Haver Responsabilidade das Elites em Relação às Massas

“O mundo em geral, e a cristandade em especial, abandonados por dois mil anos ao regime de um Deus pessoal, bem como aos seus sistemas políticos e sociais baseados nessa ideia, agora provaram-se um fracasso. Se os Teósofos dizem: “Não temos nada a ver com tudo isso; as classes mais baixas e as raças inferiores (aquelas da Índia, por exemplo, na concepção dos britânicos) não podem nos preocupar e devem se arranjar da melhor forma que puderem”, o que acontece com as nossas belas profissões de benevolência, filantropia, reforma etc? Serão essas profissões uma farsa? E se forem uma farsa, poderá o nosso caminho ser o verdadeiro? Deveríamos nos dedicar a ensinar a uns poucos europeus, alimentados com o melhor da terra, muitos dos quais aquinhoados com as dádivas da obscura fortuna, os segredos das campainhas astrais, das materializações, da formação do telefone espiritual e do corpo astral, e deixarmos que os muitos milhões de ignorantes, de pobres e desprezados, de humildes e oprimidos, tomem conta de si mesmos e do seu futuro da melhor forma que souberem? Nunca. Antes pereça a S.T. com os seus dois desafortunados fundadores, do que permitirmos que ela se torne nada mais do que uma academia de magia, um lugar dedicado ao ocultismo.” [Mahachohan, carta com Suas visões. Letters from the Masters of the Wisdom (Cartas dos Mestres de Sabedoria), 1st Series, n. 1, p. 7]


É Necessário Mais Sábia Mescla do Alfa e do Ômega da Sociedade: Sem a Influência Suavizadora de Instituições Baseadas na Fraternidade e Aplicação Prática da Doutrinas Esotéricas o Mundo Não Evitará Catástrofes Nunca Vistas

“Uma maior, mais sábia, e especialmente mais benevolente mescla do alto e do baixo, do Alfa e do Ômega da sociedade, foi determinada. A raça branca deve ser a primeira a estender a mão de solidariedade às nações mais escuras, a chamar o pobre e desprezado “negro” de irmão. Essa perspectiva pode não agradar a todos, mas não é um Teósofo aquele que se opuser a esse princípio.

Em vista do triunfo sempre maior e, ao mesmo tempo, do mau uso do livre pensamento e da liberdade (o reino universal de Satã, como Eliphas Levi a teria chamado), como poderá o instinto combativo natural do homem ser refreado de infligir crueldades e atrocidades que até agora nunca foram vistas, tirania, injustiça etc., senão por meio da influência suavizadora de uma fraternidade, e da aplicação prática das doutrinas esotéricas do Buda?” [Mahachohan, carta com Suas visões. Letters from the Masters of the Wisdom (Cartas dos Mestres de Sabedoria), 1st Series, n. 1, p. 4]


Credos Exotéricos Geram Opressão e Luta. Somente Filosofia Esotérica Pode Gerar Estado Intermediário e Consequente Alívio do Sofrimento

“Sob a dominação e a influência dos credos exotéricos, sombras grotescas e distorcidas de realidades (…), sempre haverá a mesma opressão dos fracos e dos pobres e a mesma luta tempestuosa dos ricos e poderosos entre si mesmos. É somente a filosofia esotérica, a harmonização espiritual e psíquica do homem com a natureza, que, através da revelação de verdades fundamentais, pode trazer aquele tão desejado estado intermediário entre os dois extremos do Egoísmo humano e do Altruísmo divino e, finalmente, conduzir ao alívio do sofrimento humano.” [Adepto. Letters from the Masters of the Wisdom (Cartas dos Mestres de Sabedoria), 2nd Series, n. 82, p. 157]


Verdades Esotéricas: da Maior Importância Espiritual e Prática, Devendo Ser Destrutivas dos Erros do Passado e Construtivas de Novas Instituições de Genuína Fraternidade da Humanidade

“As verdades e mistérios do ocultismo constituem, de fato, um corpo da mais alta importância espiritual, ao mesmo tempo profundo e prático para o mundo como um todo. Contudo, não é como uma mera adição à confusa massa de teorias e especulação no mundo da ciência que eles lhes foram dados, mas sim por causa de suas implicações práticas sobre os interesses da humanidade. (…) Eles devem se provar tanto destrutivos quanto construtivos — destrutivos nos perniciosos erros do passado, nos velhos credos e superstições que sufocam toda a humanidade em seu venenoso abraço como a erva daninha mexicana; mas construtivos de novas instituições de uma genuína e prática Fraternidade da Humanidade, onde todos se tornarão co-laboradores da natureza (…).” [K.H. The Mahatma Letters to A.P. Sinnett (Cartas dos Mahatmas para A.P. Sinnett), n. 6, p. 23]


Fraternidade, Reencarnação e Carma Resolverão Muitos Problemas

“Para compreender a Fraternidade, devemos lembrar que a evolução se realiza por meio da reencarnação e sob a lei do carma. (…) Na medida que as ideias da reencarnação e do carma conquistarem as mentes do mundo ocidental, que tem o hábito de aplicar princípios à prática, penso que a Fraternidade sob a lei da reencarnação e do carma resolverá muitos dos problemas sob os quais o mundo está padecendo, em nosso tempo.” (Annie Besant. Os Ideais da Teosofia, p. 25)


Grande Missão do Verdadeiro Altruísmo: a Elaboração de Claras Ideias Éticas e Deveres, e a Moldagem de suas Instituições

“O problema e grande missão do verdadeiro Altruísmo (N.A.: da verdadeira Teosofia ou Sabedoria Divina) é a elaboração de claras e inequívocas concepções de ideias éticas e de deveres, as quais possam mais e melhor satisfazer os sentimentos retos e altruísticos em nós; e a moldagem dessas concepções para a sua adaptação em tais formas de vida diária onde elas possam ser aplicadas com mais equidade. Tal é o trabalho comum em vista para todos os que desejem agir de acordo com esses princípios. É uma tarefa laboriosa e requererá esforço árduo e perseverante, mas ela deverá conduzi-lo inconscientemente ao progresso, e não deixará nenhum espaço para aspirações egoístas fora dos limites traçados. (…)

O grau de sucesso ou fracasso nessa tarefa são as balizas que o Mestre deve seguir, pois elas se constituem nas barreiras colocadas com suas próprias mãos entre vocês mesmos e aqueles que pediram para ser seus instrutores. Quanto mais próximo da meta contemplada — menor a distância entre o estudante e o Mestre.” [Adepto. Letters from the Masters of the Wisdom (Cartas dos Mestres de Sabedoria), 2nd Series, n. 82, p. 158]


Princípio da Democracia do Futuro Num dos Livros Mais Antigos: o I CHING

“Acima o céu, abaixo o lago: a imagem da CONDUTA.
Assim o homem superior discrimina entre o alto e o baixo e fortalece desse modo a mente do povo.
O céu e o lago evidenciam uma diferença de altitude inerente à essência dos dois, e que, por isso, não desperta inveja.
Assim também entre os homens há, necessariamente, diferenças de nível. É impossível chegar a uma igualdade universal.
Porém, o que importa é que as diferenças de nível na sociedade não sejam arbitrárias e injustas, pois nesse caso a inveja e a luta de classes inevitavelmente se seguiriam.

Se, ao contrário, às diferenças de nível externo corresponderem diferenças de capacidade interna, e o valor interno for o critério para a determinação da hierarquia externa, a tranquilidade reinará entre os homens e a sociedade encontrará ordem”. (p. 56) [Richard Wilhelm. I CHING: o Livro das Mutações. Lu – A Conduta (Trilhar) – Hexagrama nº. 10]


Todos Podem Compreender as Questões Locais, Porém Isso Não Acontece com as Questões Nacionais e Internacionais

“Um camponês pode ser sábio nos assuntos de sua vila, mas a sua opinião sobre uma complexa questão internacional provavelmente não será iluminadora. Ele deveria ter sua voz ouvida no primeiro caso, não no segundo.” (Annie Besant. Os Ideais da Teosofia, p. 29)


Frases de Winston Churchill, Espirituosas e Reveladoras,  Sobre Defeitos da Democracia Atual

“Ninguém pretende que a democracia seja perfeita ou sem defeito. Tem-se dito que a democracia é a pior forma de governo, salvo todas as demais formas que têm sido experimentadas de tempos em tempos.”

“O melhor argumento contra a democracia é uma conversa de cinco minutos com um eleitor mediano.”
(Fonte: www.pensador.com/frases_churchill_democracia/)


Francis Bacon Sobre a Necessidade de Novos Procedimentos Para Superar os Grandes Problemas

“Seria algo insensato, em si mesmo contraditório, estimar poder ser realizado o que até aqui não se conseguiu fazer, salvo se se fizer uso de procedimentos ainda não tentados.” (Francis Bacon. Novum Organum – 1620)


Acima de Todas as Coisas Ensinem a Doutrina dos Graus ou Níveis Espirituais, Que Não Guardam Relação Com a Condição Externa da Vida

“Vejam que acima de todas as coisas vocês ensinem a doutrina dos graus ou níveis espirituais (castas). Os cristãos cometeram um sério erro ao requerer a mesma regra de todas as pessoas. As castas são como degraus por meio dos quais se ascende do mais baixo para o mais alto. Elas são, propriamente, graus ou níveis espirituais, e não guardam qualquer relação com a condição externa da vida. Como todas as demais doutrinas, aquela das castas foi materializada. As castas são quatro em número, e correspondem à quádrupla natureza do homem.” [Anna Kingsford.  Clothed With The Sun. Being the Book of the Illuminations of Anna Kingsford (Vestida Com o Sol. Sendo o Livro das Iluminações de Anna Kingsford), p. 50]


A Política Envolve o Bem Estar de Todos e Demanda as Melhores Mentes Com Espírito Desinteressado

“A política, que envolve o bem-estar e o progresso de todos que constituem o Estado e afeta outros Estados, é uma atividade séria, que demanda as melhores mentes com um espírito desinteressado, e não deveria ser um jogo de poder jogado com a preponderância de interesses pessoais e de grupo.” [N. Sri Ram. On the Watch Tower (Na Torre de Vigia), p. 82]


Problema do Momento É Como Encontrar o Melhor Homem e Colocá-lo no Poder: Sem Isso Nenhuma Felicidade É Possível Para o Estado

“O problema do momento é como encontrar o melhor homem, e depois colocá-lo no poder. Se vocês perguntarem: “O que você quer dizer por ‘o melhor’?” Eu respondo: “O mais sábio, aquele de vontade mais forte, o mais resoluto e o mais inegoísta.” Essas são as qualificações do Governante, e sem essas qualificações no Governante, nenhuma felicidade é possível para o Estado.” (Annie Besant. Os Ideais da Teosofia, p. 28)


Como Encontrar os Melhores É o Problema: Para Resolvê-lo Devemos Compreender a Inutilidade dos Atuais Sistemas de Governo

“Ora, o nosso Ideal da Fraternidade aplicado ao Governo exige o poder para os mais cultos e não para os ignorantes (…) como encontrar os melhores? O Ideal é que sejam os melhores que governem; mas como encontrá-los, eis o problema. Cada um de nós que estuda deve tentar resolver esse problema, e as sugestões que aqui estou dando talvez contenham algumas indicações para essa solução.

Mas não poderão resolvê-lo enquanto não compreenderem a inutilidade da atual maneira de governar – ou de não governar – e enquanto não aceitarem o Ideal de que o Governo deve ser exercido pelos melhores. Quando concordarmos nisso, então poderemos reunir os nossos esforços para encontrar um meio de achar e escolher os melhores e colocá-los em situação onde bem sirvam ao país. E isso tem de ser feito por amor ao povo, ao povo que “perece por falta de sabedoria”, e que nunca, na sua ignorância, poderá se salvar.” (Annie Besant. Os Ideais da Teosofia, p. 32-34)


Os “Monarcas” Atuais São o “Rei” Dinheiro e o “Rei” Multidão, o “Reinado” de Nenhum Deles Engrandecerá a Nação

“Que dizer a respeito da política? Quanto aos detalhes, francamente, não tenho muito o que dizer, pois nesse momento estou preocupada apenas com princípios. (…) Voltemos na história da Inglaterra e encontraremos o governo dos Reis, e esse construiu a nação que é a Inglaterra. Então houve o governo dos Barões, e eles no conjunto não foram muito mal, pois a Inglaterra dessa época era chamada de Inglaterra Feliz (“Merrie England”), e certamente ninguém sonharia em aplicar-lhe agora esse título. Então veio a Inglaterra dos Parlamentos, tornando-se cada vez mais triste, cada vez mais enfraquecida; e depois a Inglaterra do Comercialismo. E quem é que hoje nos governa? Nem Reis, nem Lordes, nem Parlamento, mas de um lado o Rei Dinheiro (“King Purse”), e de outro o Rei Multidão (“King Mob”). Nenhum desses é um governante com probabilidade de engrandecer essa nação. A liberdade é uma grande Deusa celestial, forte, beneficente e austera, e ela não pode nunca descer sobre uma nação por meio dos gritos das multidões, nem pelos argumentos da paixão desenfreada, nem pelo ódio de classe contra classe.” (Annie Besant. O Mundo de Amanhã, p. 137-138)


Estrutura Organizacional dos Partidos Comunistas Contribuiu Mais do Que a Doutrina Marxista

“(…) desenvolveram uma estrutura ainda mais original, repousando em grupos bem pequenos (de empresa, bairro etc.), fortemente reunidos pelos processos do “centralismo democrático”, e contudo fechados graças à técnica de ligações verticais: esse admirável sistema de enquadramento das massas tem contribuído ainda mais para o êxito do comunismo que a doutrina marxista, ou o pobre nível de vida das classes operárias.” (Maurice Duverger. Os Partidos Políticos, p. 40)


Partido Comunista Desenvolveu Sistema Piramidal de Notável Eficácia Organizacional: Pode-se Deplorar o Uso, Deve-se Admirar a Técnica

“Podemos pensar muitas coisas do Partido Comunista: porém devemos reconhecer que os mecanismos forjados por ele são de notável eficácia, e que não lhes podemos recusar certo caráter democrático, por causa desse cuidado constante de manter o contato da base, de estar “à escuta das massas”. (…) A força do Partido Comunista é a de haver estruturado um método científico que permite alcançar esses resultados, com a dupla vantagem do método científico: maior exatidão; e possibilidade de emprego por todos após uma formação satisfatória. Ainda mais profundamente, o valor desse método vem do fato de que essa força não é puramente passiva, não se limita a registrar as reações das massas, mas permite agir sobre elas, canalizá-las suavemente, prudentemente, porém profundamente. Pode-se deplorar o emprego da ferramenta: deve-se admirar sua perfeição técnica.” (Maurice Duverger. Os Partidos Políticos, p. 93)


Sufrágio de Massa Sem Qualificações É um Equívoco

“Indubitavelmente cada homem é competente em sua própria esfera, para dizer o que ele quer para sua localidade ou vila, e para dizer quem irá servi-la melhor entre aqueles que ele conhece. Mas quando se trata de uma questão de decidir assuntos complicados, de abrangência nacional e internacional, é uma mera questão de bom senso que somente deveriam poder votar aqueles que têm algum conhecimento a respeito dessas matérias. E por essa razão é que a Dra. Annie Besant insistiu repetidamente, enquanto ela esteve ocupada com esses assuntos na política indiana, que a Índia não deveria, ao elaborar a sua Constituição, aderir ao fetiche do sufrágio de massa sem qualquer tipo de qualificações.” [N. Sri Ram. On the Watch Tower (Na Torre de Vigia), p. 81]


Sugestão (Annie Besant, N. Sri Ram e Jai Prakash Narain) de um Sistema Político Coerente com a Lei da Fraternidade Universal

“Algum tempo atrás Pandit Nehru, em um de seus discursos, lançou um tanto vagamente a ideia de que algum dia, ao invés do atual sistema de eleições para Parlamento indiano, algum sistema, menos direto e mais adequado às condições da Índia, pudesse ser considerado.

Desde então, o Sr. Jai Prakash Narain (…) tem mais definidamente proposto, no lugar da atual forma de democracia na Índia, um sistema algo similar ao proposto pela Dra. Annie Besant nos dias de sua atuação em favor da libertação da Índia.

Ela não pensava que a regra “um homem, um voto” fosse boa para qualquer país, e muito especialmente ela não a recomendava para a Índia. Desse modo, ela delineou, na sua proposta de Lei do “Commonwealth of India”, um sistema que teria uma base bem ampla ao nível das vilas (e correspondentes nas cidades), com voto adulto e uma grande autonomia nesse nível, e então se estreitaria gradualmente como uma pirâmide, através do nível dos Distritos, dos Estados (ou Províncias), até o Governo Central. As franquias para esses Conselhos nesses níveis superiores deveriam estar baseadas em crescentes qualificações de serviço, experiência, educação, etc.

Seu esquema, se tivesse sido apoiado pelos outros líderes políticos da época, particularmente pelo Partido do Congresso, teria sido aceito pela população da Índia como um todo. O princípio de uma qualificação razoável para o voto, e para tornar-se membro dos Conselhos, teria sido firmemente estabelecido. Mas, seus apelos foram em vão. O Sr. Gandhi posicionou-se pelo sufrágio de massa, e isso decidiu a questão.

O Sr. Jai Prakash Narain também vislumbra uma base forte e praticamente auto-suficiente para os Conselhos das Vilas, vila significando também uma cidade pequena, um distrito, ou bairro nos grandes municípios, mas eleições indiretas desses Conselhos para o Conselho do Distrito, desse último para as legislaturas provinciais ou estaduais, e dessas para o Parlamento de toda a Índia.

O Sr. Jai Prakash Narain é ainda uma voz solitária no terreno inóspito das atuais condições políticas na Índia. A descrição dessas condições como um terreno inóspito pode parecer um exagero, mas quando vemos os vários interesses de grupos, que são tão influentes e a variedade de conselhos para os mais diferentes assuntos que precisam ser tratados, não podemos deixar de sentir a verdade da descrição da Dra. Besant acerca da democracia, em sua presente forma, como o governo por meio da ignorância de múltiplas cabeças.” [N. Sri Ram. On the Watch Tower (Na Torre de Vigia), p. 86]


Índia Deveria Desenvolver Novo Modelo de Democracia

“Se a Índia puder desenvolver uma forma de democracia na qual haja alguma chance para a necessária sabedoria chegar até o topo, ela estará, desse modo, servindo aos mais elevados interesses do seu próprio povo, bem como estará dando um exemplo que poderá ajudar e inspirar outros povos.” [N. Sri Ram. On the Watch Tower (Na Torre de Vigia), p. 82]


A Democracia Participativa, ou Democracia do Futuro, na Visão do Professor C.B. Macpherson

“Volto finalmente à questão de como uma democracia participativa poderia funcionar se conseguíssemos os requisitos para chegar até ela. (…)

Se examinarmos as questões primeiramente em termos gerais, (…) o modelo mais simples que mais adequadamente pudesse ser chamado de democracia de participação seria um sistema piramidal com democracia direta na base e democracia por delegação em cada nível depois dessa base. Assim, começaríamos com democracia direta ao nível de (…) vizinhança – discussão concreta face a face e decisão por consenso majoritário, e eleição de delegados que formariam um conselho no nível mais próximo seguinte, digamos, um bairro urbano, ou subúrbio, ou redondezas. (…) Assim prosseguiria até o vértice da pirâmide, que seria um conselho nacional para assuntos de interesse nacional, e conselhos locais e regionais para questões próprias desses segmentos territoriais. Seja em que nível for, além do primeiro, em que as decisões finais sobre diferentes assuntos fossem tomadas, as questões teriam certamente de ser formuladas por um conselho. (…) Isso pode dar a impressão de diferir muito do controle democrático. Mas acho que é o melhor ao nosso alcance. O que é necessário, em cada estágio, para tornar democrático o sistema, é que os delegados encarregados das decisões e formulação dos problemas, eleitos desde os níveis inferiores, sejam politicamente responsáveis em relação aos que os elegeram, sendo passíveis de não reeleição. (…)

Para resumir a análise até aqui feita da perspectiva de um sistema de conselhos piramidais como modelo de democracia de participação, podemos afirmar que na medida em que as condições para a transição a um sistema de participação forem conseguidas em qualquer país (…) um sistema piramidal poderia operar. (…)

(…) É muito mais provável que qualquer transição seja feita sob a liderança de uma frente popular ou uma coalizão de partidos socialistas ou social-democratas. (…) A questão concreta é, pois, se haverá algum meio de combinar uma estrutura de conselho piramidal com um sistema partidário em competição.

A combinação de um sistema democrático piramidal direto e indireto com a continuação de um sistema partidário parece essencial. Nada, a não ser um sistema piramidal, incorporará qualquer democracia direta numa estrutura de âmbito nacional de governo, e exige-se certa significativa quantidade de democracia direta parar o que quer que se possa chamar de democracia de participação. Ao mesmo tempo, partidos políticos em concorrência devem ser presumidos, e partidos cujas reivindicações não casem com coerentemente com o que se possa chamar de democracia liberal deverão ser repelidos.

Não apenas é, provavelmente, inevitável a combinação da pirâmide e dos partidos: ela pode ser positivamente desejável. (…)

Resta uma questão: poderá esse modelo de democracia participativa ser chamado de democracia liberal? Acho que pode. Evidentemente não é ditatorial ou totalitário. A certeza disso não é apenas a existência de partidos alternativos (…). A garantia está mais na presunção de que nenhuma versão do modelo de democracia participativa poderia existir ou permanecer existente sem um forte e generalizado senso do valor do princípio ético da democracia liberal (que é o núcleo de seus principais modelos): – os direitos iguais de todo homem e toda mulher ao pleno desenvolvimento e ao emprego de suas capacidades. (…) Na medida em que prevalecesse um forte senso do alto valor dos direitos iguais ao auto desenvolvimento, o modelo de democracia participativa estaria na melhor tradição da democracia liberal.” (C.B. Macpherson. A Democracia Liberal: Origens e Evolução, pp. 110-116)