We have chosen here a few works as a synthesis of Vegetarianism, which is one of the important aspects of the “New” Gospel of Interpretation, which is the denomination of the main religious message given to the world by Dr. Anna Kingsford and Edward Maitland, her great work companion. These selected works are complete in the Site Anna Kingsford.

Besides this synthetic presentation, we have added a small set of quotations about Vegetarianism and its importance to the well being of humanity. Below we have the links to the selected works, and after that, the quotations:

The Food of Man: Regarded as a Spiritual Being. Samuel Hopgood Hart. The text is the transcription of a lecture to the Croydom Vegetarian Society (England). November, 1933. Samuel H. Hart was the main continuator of the work of Kingsford and Maitland after their passing.

Vegetarianism and the Bible. Edward Maitland. This text is a part ot the next selected work, Addresses and Essays on Vegetarianism. Special attention was given to it due to its relation to the NewGospel of Interpretation and, therefore, to the Buddhist (or Esoteric) Christianity, or to the Wheel and the Cross. It shows that vegetarianism is an integral part of the original Christian teachings, as well as of the Buddhist tradition.

Addresses and Essays on Vegetarianism. Anna Kingsford and Edward Maitland. Edited by Samuel Hopgood Hart. John M. Watkins, London, 1912. 227 pp.


Quotations about Vegetarianism:

NOTE: The last long quotation is in Portuguese language. Since we think that it is a relevant text in relation to Buddhist Chrisitanity, we decided to add it even in this language.

Vegetarian Movement: Redeemer of the World

“I consider the vegetarian movement to be the most important movement of our age. I believe this because I see in it the beginning of true civilization. My opinion is that up to the present moment we do not know what civilization means. When we look at the dead bodies of animals, whether entire or cut up, which with sauces and condiments are served at our table, we do not reflect on the horrible deed that has preceded these dishes; and yet it is something terrible to know that every meal to which we sit down has cost a life. I hold that we owe it to civilization to elevate the whole of that deeply demoralized and barbarized class of people – butchers, cattle-drovers, and all others who are connected with the deplorable business. Thousands of persons are degraded by the slaughter-house in their neighbourhood, which condemns whole classes to a debasing and inhuman occupation. I await the time when the consummation of the vegetarian movement shall have created perfect men, for I see in this movement the foundations of perfection. When I perceive the possibilities of vegetarianism and the heights to which it can raise us, I feel convinced that it will prove the redeemer of the world.” (Anna Kingsford. Quoted by Samuel H. Hart: In Memoriam Anna Kingsford. Booklet containing the full text, with some additions by the author, of a Lecture given to the Leeds Vegetarian Society on September 15th, 1946, to commemorate the Centenary of the birth of Anna Kingsford)


The Higher Aspects of Vegetarianism (1)

“I propose to give a concise account of a certain aspect of our movement which is at once highly interesting and important, and but very little known, as it belongs to the class of knowledges styled esoteric and occult. I mean the School to which it belongs, and the Philosophy which it represents. To do this will be to show, among other things, that so far from our practice of rejecting the flesh of animals as an article of food being, as some allege, a senseless and mischievous innovation, it has the sanction of the profoundest wisdom of all ages from the remotest antiquity. For the School to which it belongs is that of a Hermes Trismegistus, a Buddha, a Pythagoras, an Apollonius, a Porphyry, a Plotinus, and all those really radical reformers whose aim it has been to reform, not institutions merely, but men themselves. It is the School of all those earnest Seekers after Perfection whose devotion to the loftiest ideals has made them redeemers of their kind, by showing men how to rise above and dominate the lower elements of their nature, and become truly human.

While so lofty in its aims, the philosophy of this great School was founded on experience and common sense, these of a kind far transcending the ordinary. Thus, in its ordinary acceptation, Common Sense means the consensus or agreement of the generality of people, and represents, therefore, the opinions of those who, although they are the great majority, are, for want of development possible as yet to only a few in any one age, cognisant only of the outer and lower, or superficial, planes of man’s nature, the physical and animal; and who cannot, therefore, be regarded as constituting an adequate measure of humanity.

The Common Sense of the School I am describing is altogether independent of popular majorities. For the agreement it represents is that, not of all men, but of all parts of man: of body, mind, soul, and spirit, and therein of the whole man. And it can, by its very nature, belong only to those who have developed in themselves the consciousness of all these constituents of man, and become mature, complete, or whole men; being which, and only so, they can of themselves represent humanity as no majority, however large, of undeveloped or rudimentary men can do.

Being thus whole men themselves, our teachers and exemplars were beyond the danger of committing the stupendous and disastrous blunder which marks the immaturity of those who have dictated the philosophy of the present age, and who form the chief obstacle to our movement. This is the blunder which consists in confounding form with substance, and mistaking the exterior and phenomenal part of man for man himself, and fancying that to gratify this is necessarily to benefit the man. No: for those whom we follow, the human form, in order to be valid, required, like any other form, to be filled up. It must have the man inside it. It was not the form, but the qualities, or character, that makes, and that is, the man. And hence their prime care was to perfect this inside and real man, knowing that the rest would duly follow.

Intelligent and reverent students of Nature, they were able to discern the spirit through the form, and to recognise her perfection. And, finding that her method consists in working from within outwards, they did the same, but always in sympathy and justice, recognising all Existence as but a larger Self, and remembering that righteous ends can be attained only by righteous means, and that to seek any end by unrighteous means – such as in the seeking of one’s own at the cost of another – is to renounce the human for the sub-human, and to descend instead of ascending the ladder of evolution. Their method was at once simple, uniform, and capable of universal application. It was, moreover, comprised in a single word, to pronounce which is to sound the keynote of all genuine reforms, dietetic and other. It is the word PURITY. For every plane of man’s fourfold nature they insisted, as the condition of perfection, on purity. On purity of blood, as meaning health, strength, activity, and endurance of body. On purity of mind, as meaning clearness of perception, intellectual and intuitional. On purity of soul, as meaning largeness of sympathy and loftiness of aspiration. And on purity of spirit, as meaning righteousness of intention and fearlessness of will. It was their endeavour, by cultivating purity on every plane, to raise each plane to its highest perfection; to bring all planes into harmony with each other; and to subordinate the whole to the will of the innermost and highest, the Spirit, which they called the God of the man, and which would thus, as his central and radiant point – the Sun, in fact, of his system – vivify and illumine the whole man, binding him together, and drawing him inwards and upwards, and making him one with itself. In this way they sought to accomplish within the individual that which all true religion and sound science agree in regarding as the consummation of perfection – namely, the reconciliation, unification, or at-one-ment of the whole man, and his complete suffusion by a perfect will and spirit.

To come to the point to which all I have said leads. The very first step on which these profoundest of all professors of the Science of Man insisted with their disciples was the total renunciation of flesh as food. This was in order, first, that their systems might be cleansed, and built up anew of the purest materials, – materials which, being derived at first-hand from nature, would be uncontaminated, and in every way undeteriorated by passage through other organisms, and capable also, at least to a great extent, of being used with their vitality unimpaired by the action of fire. And next, that they might live, as it is indicated by man’s physical and moral constitution that he is intended to live, and as, to be fully human and realise all that is implied in the term man, he must live.

Their object was always quality, not quantity. It was not to multiply, but to improve the race. It was not of men and women that the earth had need, but of humanity. And men and women did not, for them, constitute humanity. These were but humanity in the making. And, when made, man was not only a particular arrangement of organs and limbs and other characteristics merely physical and wholly perishable. They had a higher standard of definition than Physiology can supply. They had a definition of man which, for all who really accept it, makes of existence a new heaven and new earth. Man, for them, was nothing less than the manifestation, – in the individual and finite, of all those principles, attributes, and qualities, at once divine and human, which appertain to the universal and infinite, and in their original, undifferentiated perfection constitute the nature of God.

They of whom I speak did not merely suppose or surmise these things. They knew them. For, by living purely and seeking earnestly, they developed powers and faculties surpassing the ability of man, flesh-fed, even to believe in, foremost among which is that supreme mode of the mind which, added to the intellectual, converts man into an instrument of perception capable of surely discerning the highest truths. This is the faculty called the Intuition. Representing the centripetal force of the mind, it enables man to obtain access to his innermost and substantial Self, his permanent and true Ego, and to learn that which his Soul has learnt of the nature of the universe in the long ages of her past. For there is no knowledge but by experience, and Intuition is the memory of the Soul. (2) And, being of the Soul, it and its knowledges are accessible only to those who live as the Soul approves, and eschew violence and bloodshed as a means of sustenance or gratification, whether committed in person or by proxy.

Such is the system – at once Hermetic, Cabbalistic, and Oriental – from which Buddhism and Christianity alike sprang, and of which they were intended to be expressions – the latter being the highest, because the more interior, revelation. And if silence of the Christian Scriptures respecting our rule be adduced as an argument against it, the reply is, first, that it was already so fully recognised as an essential in the same system as to require no further enactment; and, next, that it is involved in the spirit itself of religion.

Those of us who have qualified ourselves by experience to pronounce upon its virtues are confident that its general adoption would be a sovereign remedy for all our defects and difficulties, personal, domestic, social, and national, and would lead to such enhancement of our intelligence and moral conscience as a people, as would lift our country to an elevation hitherto unimagined, making her in the highest sense the enlightener and exemplar of the nations.

FOOTNOTES

(1) The address given by Edward Maitland on the 12th January 1885, at Exeter Hall, London, at the close of the International Health Exhibition, under the auspices of the Manchester Vegetarian Society. Published in the book Adresses and Essays on Vegetrarianism, pp. 175-178.

(2) See A.K.’s Illumination, Concerning Inspiration and Prophesying. In Clothed With the Sun, Part I, No. II”


What Great Men Said (*)

– “The more man simplifies his eating and moves away from the carnivorous regime, the wiser his mind.” (George Bernard Shaw)

– “I am a fervent follower of the vegetarian regime. More than anything for moral and aesthetic reasons. I believe that a vegetarian life order, by its physical effects, will influence the temperament of men in such a way that it will greatly improve the destiny of mankind.” (Albert Einstein)

– “Time will come when human beings will be content with a vegetarian diet and will judge the killing of an innocent animal as is now thought to be the murder of a man.” (Leonardo Da Vinci)

– “If man sincerely aspires to live a real life, his first decision must be to refrain from eating meat and not killing any animal to eat.” (Leon Tolstoy)

– “The flesh is the food of certain animals. But not all, for horses, oxen and elephants feed on herbs. Only those with brave and fierce nature, tigers and lions, etc. can be sated in blood. What a horror it is to fatten a body with another body, to live from the death of living beings.” (Pythagoras)

– “May you live off the perfume of the earth and, like a plant, nourish you with light.” (Gibran Khalil Gibran)

– “Happy would be the earth if all beings were united by the bonds of benevolence and only fed on food without bloodshed. The golden grains, the shiny fruits and the tasty herbs that are born for all, would be enough to feed and give plenty to the world.” (Gautama Buddha)

– “If we are to free ourselves from suffering, we must not live from the suffering and murder inflicted on other animals.” (Paul Carton)

– “When a man kills a tiger they call it sport; when a tiger kills a man, they call it ferocity.” (George Bernard Shaw)

– “Man begs the mercy of God but has no pity on animals, for which he is a god. The animals that you have sacrificed have already given you the sweet tribute of their milk, the softness of their wool, and have placed trust in the criminal hands that kill them. No one purifies his own spirit with blood. In the innocent head of the animal, it is not possible to put the weight of a hair of the evil and errors for which each one will have to answer.” (Gautama Buddha)

– “Eating meat is the survival of the greatest brutality; the shift to vegetarianism is the first natural change of enlightenment.” (Leon Tolstoy)

– “What struggle for existence, or what terrible madness has caused you to soak your hands with blood – you, I repeat, that are nourished by all the benefits and comforts of life? Why do you insult the face of the good earth, as if it were not able to nourish and satisfy you?” (Plutarch)

– “Every butcher, with his bloody victims of the slaughterhouse, is for me both a horror and a motive of condemnation. I am convinced that with the cessation of this cannibalism mankind would attain a nobler culture, solve many of the social problems more safely and more easily, and certainly also get rid of the plague of war.” (J.V. Widman)

NOTE:

(*) The above set of small quotes from great men, was presented at the end of the text Vegetarianismo: Chave para a Saúde e Felicidade (Vegetarianism: Key to Good Health and Happiness), by  Arnaldo Sisson Fiho.


THE BANQUET OF THE GODS

“I saw in my sleep a great table spread upon a beautiful mountain, the distant peaks of which were covered with snow, and brilliant with a bright light. Around the table reclined, twelve persons, six male, six female, some of whom I recognised at once, the others afterwards. Those whom I recognised at once were Zeus, Hera, Pallas Athena, Phoebus Apollo, and Artemis. I knew them by the symbols they wore. The table was covered with all kinds of fruit, of great size, including nuts, almonds, and olives, with flat cakes of bread, and cups of gold into which, before drinking, each divinity poured two sorts of liquid, one of which was wine, the other water. As I was looking on, standing on a step a little below the top of the flight which led to the table, I was startled by seeing Hera suddenly fix her eyes on me and say,

“What seest thou at the lower end of the table?” And I looked and answered, “I see two vacant seats.” Then she spoke again and said, “When you are able to eat of our food and to drink of our cup, you also shall sit and feast with us.” Scarcely had she uttered these words, when Athena, who sat facing me, added, “When you are able to eat of our food and to drink of our cup, then you shall know as you are known.” And immediately Artemis, whom I knew by the moon upon her head; continued, “When you are able to eat of our food and to drink of our cup, all things shall become pure to you, and ye shall be made virgins.”

Then I said, “O Immortals, what is your food and your drink, and how does your banquet differ from ours, seeing that we also eat no flesh, and blood has no place in our repasts?”

Then one of the Gods, whom at the time I did not know, but have since recognised as Hermes, rose from the table, and coming to me put into my hands a branch of a fig tree bearing upon it ripe fruit, and said, “If you would be perfect, and able to know and to do all things, quit the heresy of Prometheus. Let fire warm and comfort you externally: it is heaven’s gift. But do not wrest it from its rightful purpose, as did that betrayer of your race, to fill the veins of humanity with its contagion, and to consume your interior being with its breath. All of you are men of clay, as was the image which Prometheus made. Ye are nourished with stolen fire, and it consumes you. Of all the evil uses of heaven’s good gifts, none is so evil as the internal use of fire. For your hot foods and drinks have consumed and dried up the magnetic power of your nerves, sealed your senses, and cut short your lives. Now, you neither see nor hear; for the fire in your organs consumes your senses. Ye are all blind and deaf, creatures of clay. We have sent you a book to read. (1) Practise its precepts, and your senses shall be opened.”

Then, not yet recognising him, I said, “Tell me your name, Lord.” At this he laughed and answered, “I have been about you from the beginning. I am the white cloud on the noon day sky.” “Do you, then,” I asked, “desire the whole world to abandon the use of fire in preparing food and drink?”

Instead of answering my question, he said, “We show you the excellent way. Two places only are vacant at our table. We have told you all that can be shown you on the level on which you stand. But our perfect gifts, the fruits of the Tree of Life, are beyond your reach now. We cannot give them to you until you are purified and have come up higher. The conditions are God’s; the will is with you.”

These last words seemed to be repeated from the sky overhead, and again from beneath my feet. And at the instant I fell, as if shot down like a meteor from a vast height; and with the swiftness and shock of the fallI awoke.

– HINTON, SEPT. 1877.

FOOTNOTE

(1) The book referred to was a volume entitled Fruit and Bread, which had been sent anonymously on the previous morning. The fig-tree, which both with the Hebrews and the Greeks was the type of intuitional perception, was an especial symbol of Hermes, called by the Hebrews Raphael. The plural used by the seer included myself as the partner of her literary and other studies. The term virgin in its mystical sense signifies a soul pure from admixture of matter. (Ed.)”
(Anna Kingsford. Dreams and Dream-Stories, pp. 36-38)


Anna Kingsford, Buddhist Christianity and Vegetarianism

(Arnaldo Sisson Filho, interviewed by the journalist Viviane Pereira, May/2009)

(NOTE: Long quotation still in Portuguese Language)

Apresentação de Viviane Pereira:

Criado em família católica, Arnaldo Sisson Filho, começou cedo sua busca por respostas às questões que norteiam nossa existência. Estudou em escolas católicas romanas e, no final da adolescência, questionando tudo o que aprendera até então, tornou-se materialista, adepto do Marxismo. Dentro desse contexto escolheu estudar Economia para entender melhor as questões político-sociais do mundo. Depois, buscando respostas para fenômenos paranormais, conheceu a Sociedade Teosófica e dela passou a fazer parte, viajando para várias partes do mundo, buscando e difundindo conhecimento. Foi em uma palestra dessa organização que conheceu a pessoa que o levaria ao vegetarianismo, em 1973. Após presenciar fenômenos paranormais, ou psíquicos, mergulhou na busca de conhecimento, estudou religiões e encontrou no trabalho da Dra. Anna Kingsford (considerada a mãe do vegetarianismo moderno) e de Edward Maitland as respostas que buscava. Descobriu ali informações essenciais para resgatar o Cristianismo. “É a religião que está na base da civilização ocidental, que hoje domina o mundo, para o bem ou para o mal”, avalia. Além de difundir o trabalho desses que ele considera grandes profetas, Arnaldo tem como missão partilhar o conhecimento adquirido em sua peregrinação. Seu novo desafio é uma obra que prepara sobre o Cristianismo Budista: “o Budismo e o Cristianismo são tradições que nasceram para se complementarem”. Nessa entrevista ele fala um pouco desses projetos, da importância da religiosidade no atual momento que o mundo vive e do vegetarianismo dentro desse contexto.

Por que se tornou vegetariano?

Eu tinha 19 anos, estava preocupado em ter um corpo saudável; tinha parado de fumar e beber. Eu havia me deparado com fenômenos paranormais, ou fenômenos psíquicos. Por exemplo, tinha perdido uma amiga em um acidente de automóvel e ela começou a aparecer para outros amigos e eu não acreditava em nada disso. Achava tudo uma ilusão, uma fantasia. E alguns amigos que eu conhecia há muitos anos diziam: isso está acontecendo, ela está se manifestando. Eu fui conferir e me dei conta de que havia alguma coisa de verdade por trás daquilo. Era um momento em que eu estava querendo investigar toda essa fenomenologia chamada paranormal ou, no meu linguajar, fenomenologia psíquica – que diz respeito à psiquê, à parte supra física da nossa constituição humana. No contexto desse questionamento fui assistir a uma palestra do inglês John Coats – ele era um palestrante internacional da Sociedade Teosófica e depois foi seu presidente internacional. Depois da palestra fui conversar com ele e apresentei questões que me deixaram intrigado. Ele me convidou para uma conversa e no outro dia fui almoçar com ele na casa de uma professora de yoga, vegetariana, onde ele estava hospedado. Passamos a tarde inteira conversando; ele era vegetariano há muitos anos e me mostrou que se eu estava no caminho, na busca, me tornar vegetariano era a sequência natural. Como bom gaúcho, criado à base de churrasco, eu acreditava que as proteínas da carne eram importantes para a boa saúde. Com serenidade perguntei a ele: “Mr. John, não existe necessidade de carne para nossa boa alimentação?” Com a mesma amorosidade ele pegou um arquivo onde tinha uma série de artigos, matérias, dados sobre vegetarianismo e começou a me mostrar que era possível viver muito bem, e até melhor, sendo vegetariano. Ele abordou o aspecto dos animais, da crueldade implícita nisso, me falou da trajetória dele e todas essas coisas me causaram profunda impressão. Ele me mostrou inclusive argumentos de natureza econômica, de como a solução para a fome do mundo pode estar ligada ao vegetarianismo. Tenho muita gratidão ao tanto que essa pessoa me ajudou, com o bom exemplo, a boa influência que essa pessoa foi na minha vida. Naquele momento tomei a decisão de estudar cientificamente a questão e que se encontrasse uma fundamentação científica para me tornar vegetariano, nunca mais voltaria a comer carne. Busquei alguns livros sobre nutrição e em menos de um mês eu tinha chegado à conclusão de que poderia ser vegetariano e viver muito bem. Nunca mais voltei a comer carne.

A Sociedade Teosófica tem alguma inclinação para o vegetarianismo?

Sim, embora a fundadora da Sociedade, Madame Blavatsky, não fosse vegetariana. Na Sociedade Teosófica existe uma grande tendência em favor do vegetarianismo. Não é obrigatório, mas a Sociedade já fez muito pelo vegetarianismo e, assim como sou grato ao Sr. John Coats, por extensão sou grato à Sociedade Teosófica por ter me trazido essa influência beneficente em minha vida. Muitos autores dessa Sociedade fizeram muito pelo vegetarianismo.

Você encontrou no seu caminho o trabalho da Dra. Anna Kingsford, considerada a “mãe do vegetarianismo moderno”. Na obra dela, a defesa do vegetarianismo é muito evidente. Qual o principal argumento dela nessa defesa?

A Dra. Anna Kingsford foi estudar medicina em uma época em que as mulheres nem eram aceitas nas faculdades de medicina da Inglaterra – estamos falando de meados do século XIX. Na Universidade de Paris as mulheres recém tinham sido aceitas. Havia polêmica entre os professores: muitos diziam que as mulheres não eram talhadas para o estudo da medicina, que não tinham constituição emocional para isso. As poucas mulheres que estudavam tinham que ser estudantes muito boas para passar nas disciplinas cujos professores acreditavam que as mulheres não eram talhadas para o estudo e prática da profissão médica. Ela fez isso porque queria promover cientificamente o vegetarianismo. O trabalho de conclusão de curso se chamou ‘Da Alimentação Vegetariana para o Ser Humano’. Foi uma defesa científica do vegetarianismo – a sua primeira grande defesa acadêmica. Essa obra é um marco na história do vegetarianismo e é impressionante porque os argumentos que ela usa são os argumentos principais do vegetarianismo até hoje. Depois ela traduziu essa obra para o inglês e publicou em 1881 na Inglaterra com o titulo ‘O Caminho Perfeito na Dieta’ – uma adaptação da tese para um público mais geral (essa obra está no site na íntegra em inglês).

O que ela aborda nessa obra?

Ela trata dos aspectos sociais do vegetarianismo, bem como dos aspectos humanitários, da crueldade com os animais. Como médica, é claro, aborda também questões de saúde, de como a ingestão de carne, de gordura animal, está associada a determinadas enfermidades; ela trata da questão da obesidade, do alcolismo, entre várias outras. Fala até de fatores ambientais – como a indústria do couro afetava a saúde dos rios na Inglaterra. É uma obra aprovada pela Universidade de Paris e um marco na história do vegetarianismo contemporâneo. Os argumentos que ela usa são impressionantes para sua época, desde a fundamentação filosófica religiosa, passando pela questão médica e da saúde em geral, até os aspectos sócio-econômicos.

Na questão religiosa, porque é importante ser vegetariano?

Todas as religiões que merecem esse nome nos dizem que Deus é amor e que religião significa nos aproximarmos e vivermos o amor até o ponto em que nos tornamos, nos fundimos com o amor e com a vontade de Deus. Como disse o filósofo Plotino ‘o olho só conseguiu enxergar o Sol porque assumiu sua forma em miniatura’ – é uma analogia que demonstra que se quisermos nos aproximar do grande amor, que está no coração desse universo, temos que iniciar sendo um pequenino amor nesse universo. Temos que assumir essa forma de Deus, de amorosidade, ainda que em miniatura. O vegetarianismo é a expressão natural do amor, da sensibilidade, de não infligir sofrimentos desnecessários em nossa vida. Esse é o aspecto mais óbvio do vegetarianismo que está diretamente associado com a religiosidade – desenvolver em você, ainda que em miniatura, o amor divino.

Devemos lembrar da grande lei de ação e reação: se estamos no mundo semeando crueldade e dor ao animais, nós vamos colher dor. É o que estamos colhendo: violência crescente, agressões, desestabilidade ambiental cada vez maior, doenças que estão surgindo.

Você acha que a religião pode ajudar a difundir o vegetarianismo e o amor aos animais, esse sentimento de proteger, defender os animais?

Não só pode como deve. Uma das coisas que eu acho mais apaixonante na obra da Dra. Ana Kingsford é que ela, como cristã, percebeu a importância de resgatar esse conhecimento dentro do contexto do Cristianismo, conhecimento que se perdeu ao longo dos séculos. Um texto dela e de seu grande companheiro de trabalho Edward Maitland mostra que o vegetarianismo era uma parte integrante do verdadeiro Cristianismo. Que o verdadeiro Cristianismo é vegetariano. E não da forma que como hoje, da maneira deturpada, querem nos passar. O texto chama-se O Vegetarianismo e a Bíblia, e está no Site Anna Kingsford.

A religião não só pode como deve auxiliar na promoção do vegetarianismo porque a verdadeira religião é essa que nos torna, ainda que em miniatura, espelhos do amor divino. E o vegetarianismo é uma natural expressão do amor divino.

Em que momento do Cristianismo se perdeu essa idéia do vegetarianismo e por que houve essa perda?

A história do Cristianismo é complexa e cheia de conflitos. Encontramos já nas cartas de São Paulo esse conflito estampado: ele mostra comunidades judáico-cristãs que eram a favor do vegetarianismo e outras, dentro do Cristianismo, que já não eram vegetarianas.

Essas comunidades começaram a discutir entre elas desde aquela época e há cartas de São Paulo querendo harmonizar, indicando que não se acusassem mutuamente. Com esses conflitos que já existiam dentro do Cristianismo, à medida que ele foi se tornando religião oficial do império romano, foi se corrompendo. O Cristianismo, desde então, foi abrindo mão de coisas que eram essenciais, e passando a ser influenciado pela política vulgar, fazendo concessões para o mundo e seu status quo dominante, sobretudo em Roma e, a partir daí, impondo à força essa degeneração.

O Cristianismo se adaptou à realidade vigente.

Adaptou-se de uma forma degenerada. E, desse modo, temos isso que a gente chama hoje de Cristianismo, que não é o verdadeiro Cristianismo; é uma forma deturpada e anti-cristã. Restam hoje, do verdadeiro Cristianismo, alguns símbolos sagrados e algumas poucas coisas ainda divinas.

Nessa etapa de se tornar religião do império romano o Cristianismo começou a ser usado pelos políticos e sacerdotes de forma deturpada, em conflito com os verdadeiros profetas que eram ligados à vontade e à sabedoria divinas. Essas mudanças acabaram excluindo o conhecimento fundamental do vegetarianismo do Cristianismo.

Você percebe uma consciência maior em relação à opção vegetariana atualmente?

Não há duvida quanto a isso. É uma coisa palpável dentro do mundo. Acho que mesmo dentro do próprio Cristianismo a gente pode observar isso de forma inicial.

A que você atribui esse avanço?

Atribuo ao trabalho de pessoas que deram e dão a vida por isso. Sempre é assim. Os avanços da humanidade sempre dependem de alguns poucos que se sacrificam por isso. Pelo mundo afora tem pessoas que dão seu tempo, sua energia para promover o vegetarianismo. Está acontecendo na nossa época um movimento de resgatar uma religiosidade mais verdadeira, e o vegetarianismo aparece naturalmente dentro desse movimento, embora de maneira ainda inicial. Precisamos avançar muito.

Muita gente fala que energeticamente comer carne faz mal, para meditar, no contato com seu eu interior. Nos seus estudos você constatou isso?

Influencia muito. Esse é um conhecimento milenar da humanidade: na antiguidade, os verdadeiros místicos, os santos, os profetas já falavam isso. Não é nenhuma novidade. Se há alguma novidade é essa degeneração que aconteceu. Comer carne afeta pesadamente nossa capacidade psíquica, psíquico-espiritual. Eu, como estudante, aprendi isso de muitas fontes, seja no Oriente seja no Ocidente.

Dentro do Cristianismo há a sexta-feira santa, quando não se pode comer carne vermelha. Antigamente era a quaresma, uma restrição de 40 dias. Como era isso e o que se transformou?

Esses são resquícios, esse reconhecimento de não comer carne é alguma coisa que sobrou. Nas comunidades cristãs ortodoxas, que se separaram de Roma há muitos séculos, esse conhecimento é mais explícito e o jejum acontece durante toda a quaresma – eles não comem carne na quaresma toda, mas no domingo pode. No catolicismo romano sobrou a sexta-feira santa, mesmo assim só com a carne vermelha.

Por que? Qual o argumento?

O argumento que se usa é de que nesse período é preciso co-participar do sacrifício de Cristo, para combater a gula, por exemplo. Hoje, e desde séculos, é considerado como uma penitência. É um resquício de uma forma de dizer: isso é o melhor, deveria ser assim. Mas a coisa se perdeu tanto, que desde vários séculos se considera um sacrifício, uma penitência, não comer carne.

Ser vegetariano é apenas um alicerce preliminar, o reconhecimento da importância da benevolência em nossa vida. Para as pessoas que querem se aprofundar mais na vida religiosa verdadeira, o vegetarianismo é uma base, e essas pessoas precisam avançar para uma alimentação mais pura. A Dra. Ana Kingsford traz o conhecimento de que deveríamos migrar não só para o vegetarianismo, mas também ingerirmos cada vez mais alimentos crus na nossa dieta, pois eles têm tremenda importância para a vitalização psíquica dos nossos corpos. Para nos tornarmos pessoas mais sensíveis psiquicamente, seria muito importante que nos alimentássemos mais de alimentos crus, tanto quanto possível.

Qual a base da defesa da Dra. Ana Kingsford para a alimentação crua?

Ela nos traz esse tema em alguns textos, com a limitação de recursos que a época impunha. Há um texto, que está traduzido no nosso site, que se chama O Banquete dos Deuses. Esse texto é um diálogo entre ela e semideuses. É o relato de uma percepção, de uma visão psíquica. Nele ela descreve um banquete onde os deuses falam que a alimentação das pessoas que querem se aproximar deles, que querem avançar nas etapas mais adiantadas da realização espiritual, tem que ser basicamente crudívora. Ela nos fala que Ephaistos, o deus do fogo, é um destruidor, e que ao passar pelos alimentos nos deixa coisas mortas, sem vida, com efeitos muito nocivos para a saúde e para a percepção psico-espiritual. Hoje, com o conhecimento científico, podemos ir além. Podemos saber, por exemplo, que as enzimas e muitas vitaminas são destruídas pela cocção, que muitas propriedade vitalizantes dos alimentos se perdem com uma grande elevação da temperatura.

Por que você se dedica à filosofia e à religião? Por que tomou esse rumo na sua vida?

Por uma busca de justiça, de levar, principalmente para as pessoas mais carentes, um bem estar, uma felicidade não somente em termos físicos, mas também uma felicidade psicológica e espiritual, ou seja, uma paz interior verdadeira.

Na minha busca de soluções para os conflitos da excessiva desigualdade social, fui percebendo que a questão econômica depende da questão política, que depende da questão filosófica, a qual depende da questão religiosa. É como um dominó em que uma vai influenciando a outra de forma inexorável.

O Sr. Krishnamurti, esse grande pensador e profeta do século XX, afirmou que a religião é a base de qualquer civilização. As questões e as idéias finais, ou últimas – o porquê da gente estar aqui, o que viemos fazer, qual a constituição do ser humano, essas idéias mais profundas, que desenham uma finalidade para nossa existência, são fundamentais porque determinam o resto da nossa existência, individual e coletiva. Se a religião é a base de qualquer civilização, as grandes instituições do mundo que aí está são filhas da degeneração religiosa. Isso é um fato. Assim, se quisermos ter soluções para os problemas mundiais, precisamos resgatar a verdade filosófica e religiosa antes de qualquer coisa.

A religião está na base dessa transformação social.

Quando a gente nega a religião, como os materialistas tentam fazer, não abrimos mão de idéias metafísicas, porém, simplesmente, passamos a ter uma metafísica fajuta, ruim. Ainda assim você precisa de idéias que estão além do físico. Não se vive sem elas, nem individual, nem coletivamente.

Em relação aos animais, o direito dos animais passa também por uma consciência nessa área, de igualdade, de equidade?

Passa. Se nós formos defender os animais baseados em uma filosofia materialista acabamos fazendo bobagem. Uma filosofia religiosa é como um mapa que orienta nossa vida. Se você tem um mapa ruim, vai seguir caminhos errados. Se você tem um mapa bom, mesmo assim ainda tem chance de não chegar, porque a estrada ainda assim é difícil, cheia de desafios. Mas se você sequer tem um mapa decente, como vai chegar lá? Ai não tem chance nenhuma. O mundo hoje se orienta usando mapas muito equivocados, tanto no campo religioso quanto no campo sócio-político.

Dentro da filosofia e da religião, a ética é muito presente, está no cerne. Eticamente falando não parece correto que um animal como o gato e o cachorro sejam tratados com carinho e outro animal seja torturado, assassinado. Como as pessoas resolvem isso na suas religiões para justificar essas atitudes, pessoas que vivem dentro de certa ética religiosa?

Não se resolve. Elas levam a vida com essa incongruência, esse contra senso, mesmo no caso das pessoas ditas religiosas. Em um departamento da vida se acredita em uma coisa, em outro se acredita em outra coisa. Em um dia age de um jeito, em outro, de outro jeito. Em um lugar age de uma forma, no trabalho de um jeito, em casa de outro, na igreja diferente. A vida das pessoas é cheia de incongruências porque a filosofia que rege suas vidas é deficiente, equivocada. Por isso é muito importante esse trabalho de buscar melhorias, de buscar maior veracidade, mais luz, no campo filosófico e religioso.

Você criou o site da Dra. Kingsford (http://www.annakingsford.com/) para difundir o trabalho dela. Quais os planos de futuro dentro do objetivo de projetar essa mensagem?

O trabalho de difundir e continuar a mensagem desses profetas é algo vasto. Os objetivos do Novo Evangelho da Interpretação (como Kingsford e Maitland chamaram essa mensagem) são tão vastos como “a abertura das Bíblias do mundo”, “elevar o nível do ideal religioso, retirando-o do plano externo e físico, para o plano interno e espiritual, e assim derrotar o domínio do materialismo sobre a vida moral”, ou ainda, “a restauração do verdadeiro Cristianismo, esotérico e espiritual”.

Hoje o que temos projetado é continuar traduzindo as obras principais de Kingsford e Maitland, escrever e publicar obras, sobretudo de apresentação dessa mensagem, e também desenvolver vídeos, realizar reuniões e palestras.

Estamos concluindo a tradução do texto de Anna Kingsford sobre O Credo do Cristianismo, que logo estará no site. Também estamos trabalhando numa obra sobre o Cristianismo Budista (A Roda e a Cruz: uma Introdução ao Cristianismo Budista), pois esses profetas nos ensinaram que o Budismo e o Cristianismo são tradições que nasceram para se completarem, como dois aspectos de um mesmo grande evangelho católico, ou seja, universal.

Como para fazer isso de forma mais ampla são necessários recursos, estamos desenvolvendo alguns projetos que visam, entre outras coisas, nos dotar de mais recursos para essa obra no futuro. Um desses projetos é o plantio de árvores. Esse projeto visa tanto gerar recursos, como transformar essa fazenda em um centro de educação ambiental, bem como de retiro, de paz e de difusão de forças espirituais:  Fazenda “São Columbano Roda e Cruz”. O local fica em Planaltina, no Distrito Federal, ao lado da Pedra Fundamental.”
[Anna Kingsford, Cristianismo Budista e Vegetarianismo. Entrevista publicada de forma resumida na Revista dos Vegetarianos (junho, 2009). Ano 3, Número 32, pp. 18-20]